Derrames (Edição completa)

Derrames

Se soubesse que te traio pelo cheiro
e pelo nariz vou sentido peles estranhas
mesclando-as ao meu faro
consumindo-as num contato lépido e displicente
forma de vazar meu desejo pelos outros
sem que o note.
porque meu desejo é sempre mais que um
e o meu amor aspira compreender
a totalidade dos homens.

- um -

Mil atrevimentos me corrompem a boca.
Corrompida,
planto sarceiros
discuto com vizinhos
assisto ao futebol
fumo carteiras de cigarros
tomo uma cervejinha
mas, se mesmo assim perder
vou para o tira-teima
apelo com outras armas
troco escopetas
por empates de beijos.

- dois -

Se não te mato de vez
com um só disparo
é por covardia cotidiana.
Matar aos poucos é menos injusto comigo
menos temerário e me justifica
e não me força arrependimentos
quando te morreres de vez.
quando te morreres de vez
fraqueza última e virgem

saiba, que te matei sempre
mas a decisão sempre foi sua.

- três -

A partir do terceiro passo
já é rotina
a partir da segunda garfada
o gosto familiar
e o que acomete esse poema é sua ausência
misto de saudade, carência e colheres de piegas
angústia de instante
derrame
e no fim do quarto passo
já é tudo mentira
me contento ou me adapto:
quem ama nunca perde.

- quatro -

Depois de ti,
perdi o jeito pro sexo
mordidas equívocas
penetrações incômodas

das sobras:
a disritmia do verso

porque antes segurávamos
a beleza do mundo sobre nossos púbis
e amar se descrevia como nuvens de pêlos

estrelas cadentes, abstrações sentidas
que hoje se descartaram.
Por lembrança te culpo
que não fodo como antes,
sendo angústia
ainda te espero com sensações velhas.

- cinco -

Dessa vez
quero ser o que parte
e não o que espera,
é o transeunte aqui
vestido de mágoas
malfadando a sua sorte
sobre um pequeno
derramencanto

4 comentários:

  1. Olá Rafael!
    Indiquei seu Blog para receber o Prêmio Blog de Ouro, visite:
    http://www.paulosergiozerbato.blogspot.com/ para saber mais informações!

    Obrigado e parabéns!
    Paulo Zerbato.

    ResponderExcluir
  2. Derrames foi uma boa viagem... daquelas q n dá vontade de retornar...

    ResponderExcluir
  3. Um belo poema,de bom gosto, com um vocabulário interessante, bem construído e original. Disfarçado pra disfarçar o amor.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  4. derram-des-encato
    uma agressão deliciosa aos estados mais habituais de conforto.

    ResponderExcluir

Rafael Geremias