Os bibelôs da minha avó

Estou tentando me reorganizar em cima daquilo que acumulei. Entre uma pilha de livros no chão, uma estante em minha frente e um cesto de lixo. Julgando o que ainda me é pertinente, por edificar ou meramente por corromper-me como a filosofia, o crânio de veado, ou a faca ritual vazando-lhe o sangue para alimentar o pagão na festa de reis.

Dancei muito ontem na festa de reis. Servi de cavalo para os espíritos, que sequiosos, beberam pinga pela minha boca, inalaram fumaça pela minha boca, comeram pela minha boca, abençoaram ou maldisseram a sorte pela minha mão; sapatearam a terra bruta, enquanto meu corpo permanecia inamovível em algum lugar desconhecido, junto às outras pessoas que também bateram a testa pro santo, e deslocadas, iam de um lado ao outro, inconscientes porque nada mais lhes pertencia.

O lugar desconhecido era uma sala de jantar comum: paredes brancas com ornato em forma de rosáceas na cor carmim pastel; chão de madeira envernizada, janelas que não permitiam visualizar a noite; no centro uma mesa com oito cadeiras, uma cristaleira com aparelhos de jantar de puro requinte, e não havia nada que eu pudesse caracterizar como místico ou revelador. Não era como adentrar numa igreja barroca e instantaneamente, o ouvido ser tocado pela música vinda do órgão, e os olhos e o espírito a comprazer-se da beleza divina que possuía tal templo. 

Antes a sala de jantar da minha avó. A lembrança honorária da segunda guerra que meu avô participou, pendurada ao lado da farda que vestira quando homenageado. Os bibelôs sobre as mesas-altar que minha avó também acumulou durante anos, e dedicou tanto da sua vida tirando-lhes o pó que se assentava. Era desesperador vê-la fazer isso quando era criança. Todos os dias ela se punha a espantar o pó, a polir a prataria, a trocar as flores dos vasos, a regar as samambaias e a folhagem, que dizia ela, tinha o nome de “moeda de sapo”, e por recomendação nunca toquei.

E toda essa descrição, só dizia respeito a mim, aos outros, participavam do meu cenário e nada os interessava. Tudo passava despercebido. Até os olhos vitrificados dos bibelôs passavam-lhes como se nada os desse. Será que não entendiam nada sobre arranjo, ou não davam a mínima ao empenho investido por alguém? Será que também não dariam a mínima pelo meu empenho durante toda a minha vida? Me doaria em manter o cenário, como a velha fez, até perder toda a força das pernas, e coagida fosse a esperar a morte sobre a cama, a mercê daqueles que nunca viram sua individualidade nos bibelôs?

O fato é que a perdi cedo demais, como também me perdi cedo demais. Acumulei tantas coisas inúteis, e passo tanto tempo a organizar, a arranjar, a tirar o pó dos livros, dos meus instrumentos rituais, ao invés de jogá-los fora e dar novo rumo a minha vida... e sair afora não levando nem o necessário, nem a lembrança fenomenológica que me fez o que fez, e esperar a morte vivendo não mantendo intocável a relíquia, que nada mais é, que o miasma que se desprendeu do seu corpo e eu o catei prometendo-lhe a eternidade.

Um comentário:

Rafael Geremias