Estética poética




Um bom poema
nasce de outro poema
não nasce do nada e nem das coisas
Não nasce de existências astrais
não participa de outros mundos
que não o da palavra
Avesso, é avatar terrestre incumbido
de códices, index e emoções
que se espiritualiza e intenta ao céu;
céu feito de gente servida de buscas
postas em badejas de papel.

Palavra nasce da palavra
e uma letra dá a mão a outra
como átomo que se encaixa a outro átomo
e dança ciranda,
ora em roda, ora em fila
e vai-se embora,
fingido de morte
no sentimento alheio.

6 comentários:

  1. onde eu assino?... risas...

    hum, eu sei q dizem por ae q a gente cresce qdo debate com opinões contrárias pq isso permite q ali se abra um novo olhar, mas as vezes, penso eu, a gente cresce qdo encontra o q nos identifica e traduz o q nos 'pertence', ainda q a gente n tenha se dado conta...

    *imagine alguém q acaba de crescer mais poquim ae...

    abs.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal o blog. É difícil achar bons blogs de cultura. Você é de Manaus?

    Confere o nosso blog sobre um programa de cinema feito pelos alunos de Jornalismo,o SET UFAM.
    Lá,além dos quadros do programa,damos algumas dicas de filmes e notícias sobre o cinema local e etc.

    Abrcs

    ResponderExcluir
  3. Paulo,

    Fico feliz em saber que cresceu um pouquinho mais, isso só justifica as coisas que faço.

    Penso que se algo artistico não muda sua vida, então não é arte.

    ResponderExcluir
  4. Set Ufam,

    Legal o bastante para voltar?

    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Creio que perdi a mão, a casa e o jeito. Mas ler ainda é um vício, e vir aqui um privilégio.
    Obrigada pela visita.
    Até breve.

    ResponderExcluir
  6. Et Cetera,

    Eu que agradeço a visita, privilégio é todo meu recebê-lo, caro friend.

    Como diz Ádélia Prado:

    Eu sempre sonho que uma coisa gera,
    nunca nada está morto.
    O que não parece vivo, aduba.
    O que parece estático, espera

    Abraço

    ResponderExcluir

Rafael Geremias