Tá na cara, Melodia

Me sinto a vontade no meu carro.
Extremamente a vontade no meu carro.
Cutuco as narinas,
retiro o tatu
e faço bolinha.

Às vezes eu lanço pra fora da janela num peteleco,
outras, eu passo no banco ou boto na boca,
dou uma mordidinha
e sem coragem de engolir
lanço pra fora da janela
e já não é mais problema meu.

(do meu carro eu também sei escarrar)

Fora de mim, eu lavo as minhas mãos;
fora do meu carro,
não sou, não existo, não pertenço!

A cidade em si eu não vejo,
as pessoas tampouco. 

As pessoas esperando na faixa de pedestre,
elas existem num plano espiritual muito distante
do qual não faço parte.

(daqui a pouco a gente entra naquele mês de conscientização no trânsito)

"acho que estou numa propaganda do carro que será o carro do ano.
Trajo terno e gravata e a barba rala 
como dizem que as mulheres gostam,
e sou branco.
Branco numa cidade tecnológica e desabitada,
mas ainda de fé cristã,
porque em frente da faixa há uma igreja
e insisto em fazer o sinal da cruz"

me benzo!
E sigo abençoado, na velocidade que quero,
pela rua que quero, cruzando, transpassando e penetrando
a via que quero sem os olhos do julgo, repetindo
intermitentemente a minha auto-ajuda

eu posso (dentro do meu carro)
eu sou (dentro do meu carro)
eu existo (dentro do meu carro)
porque tá na cara que o jovem tem seu automóvel, Melodia.

Mas daqui a pouco a gente entra naquele mês de conscientização no trânsito,

(antes fosse só o mês das noivas!)

bota a fitinha amarela e finge ser educado,
o amarelo do patinho de borracha
e que de nada entende de nada
circulando na cidade
confortavelmente em seu carro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias