Pornô XI


Há um jeito mais ou menos másculo, ou polar, mais ou menos feminino de se dormir? Ou corpo que distendido pela forma macho fêmea aparenta fêmea macho? Como o corpo que se dá a imagem, a pergunta que ao perguntar responde: pretensioso!? Tava tirando a sobrancelha, cenho não franzido, uma placidez instaurada a cada fio pinçado – ‘Tens que limpar a sobrancelha, teu olhar tá muito carregado... só uma limpadinha, pra não ficar muito feminino’ - parte da minha expressão delicada medida e pinçada, porque hoje em dia, tudo é milimetricamente medido e pensado; um fio a mais ou a menos torna-se argumento suficiente aos maledicentes, que são também os de boca santa: ‘Parece uma bichinha!’ Ou – ‘Nossa, que diferente que ele tá... um olhar mais complacente!’. Duvido muito que saibam o significado de complacente, então, como poderão elogiar com palavra tão sóbria e culta, e mais, por que desejaria tal elogio tão distante de corpo? Pincei alguns fios a mais, queria algo sincero, um xingamento – ‘Oh, bichinha da sobrancelha fina!’ – como se alguém inesperado a qualquer momento pudesse adentrar o quarto e me tivesse fêmea macho de sobrancelha feita; olhar delicado de corpo desejoso outro corpo repousados sobre o travesseiro numa imobilidade pretensiosa de ser libido sendo macho sendo fêmea.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias