Uma forma para Otávio

V

Quero falar das mãos de Otávio. As mãos de Otávio são angulosas, de dorso trapezoidal e veias saltadas. Sempre que as move, vejo o pulsar delas e o calor que delas dissipa. Mãos com dedos longos e de pelos adensados sobre cada falange. Sua palma desenha um M perfeito, o que significaria para a cigana um homem de personalidade forte. Seja lá o que for “um homem de personalidade forte”. Interessa-me mesmo o próximo movimento, o próximo objeto que tocará e o que com ele fará. Meus olhos estalam para aumentar a atenção, a ponta da minha língua lança-se para umedecer os lábios desejando ansiosa que o próximo objeto seja meu rosto e todo o resto do meu corpo.

Uma forma para Otávio

IV

Não que o fato de eu ser mulher me impeça de fazer isso. Abrir compotas também é trabalho de mulher. Mas perto dele, gosto de me sentir frágil, para lhe pedir esses favores bobos. Mas Otávio entende, e gosta disso. Abre a compota de figos, entrega-me o vidro com um beijo me chamando de “minha mulher”. Vivemos em regozijo.

Uma forma para Otávio

III

Ele me liberta. Otávio me liberta porque já é livre. Otávio é o tipo de homem que nunca fora mantido em cativeiro, nem nunca fora vítima dos limites de seu próprio corpo. Otávio usa seu corpo como os livres pensadores o usam, como instrumento de vida. Fortifica os músculos para carregar as minhas sacolas, para trocar os móveis de lugar e fazer da nossa casa um pouco mais agradável a cada dia.

Uma forma para Otávio

II

Otávio nunca é descrente ou tem indecisões, no máximo fica em silêncio com as sobrancelhas espessas caídas, segurando o queixo com a mão direita enquanto escuta extremamente concentrado Rachmaninoff. Nunca entendi sua predileção por Rachmaninoff. Mas que importa, ele também nunca deve ter entendido o porquê dos meus gostos, e isto nunca influenciou no jeito em que me acariciava. Sempre com gestos pertinentes feitos para aflorar sobre a minha pele arrepios e outros desejos de corpo. Então, Otávio me conduz de forma adestrada e prudente por entre suas sobrancelhas, e o escuro dos fios de seus pelos é a matéria cotidiana do nosso amor.

Uma forma para Otávio

I

Otávio me fala coisas que realmente não entendo. Parece um ser de outro mundo que veio para a Terra com a capacidade sobre-humana de absorver tudo e simplificar numa única coisa. Deve ser porque é homem e eu sou mulher. Homem sempre consegue ser mais simples que mulher, ou pelo menos melhor que eu. Otávio é daquele tipo que simplifica para extrair as formas mais complexas possíveis, enquanto eu complico terminando por extrair coisas tão simples. Mas o meu simples é diferente do simples de Otávio, o simples de Otávio surge grandioso, enquanto o meu soa ridículo e sem vida. As formas de Otávio são incríveis, e não é porque estou apaixonada por ele que digo isso, mas porque é verdade. As formas de Otávio são belas por essência. Otávio é a minha redescoberta do Homem Vitruviano.

Otávio


Se me faltar amor, chamarei Otávio.
Otávio que sabe de tudo
Porque lê de tudo, bebe de tudo.
Otávio que saberá me falar do amor
de como aprendeu.

vero romântico


Para Edna e Fran

Você mijou na minha boca! Eu estava calado, porque era tudo verdade o que me dizia. Quanta honestidade nesse nosso amor. A vida só existe com honestidade, o resto é ficção. Poder dizer que durante a manhã estava indisposto por causa de uma diarreia, é para poucos que eu digo. Por isso as lágrimas estão soltas pelo rosto, correm livremente pelos sulcos da pele. É tudo água. Veio d’água. Sou feito de água e deve ser por isso que fico tão difícil em dia de lua cheia. A maré sobe e viro pura arrebentação. Não me contenho. 

Foda-se tudo isso

Com o coração atordoado dizendo: vá! e logo retrocede: volte que é perigoso! Você pode se danar... Por que ir se é mais fácil voltar? Rever os familiares, beijar os pais e esquecer que as coisas desejam te suprimir como a um grão de ervilha. Estou tão suprimido, tão próximo da loucura que pular dois degraus é como me jogar de um desfiladeiro. Pedras rolando, gritos de socorros inexistentes e a vida correndo por outro lado. Certo ou não, discutirão os filósofos. Não nós, meros humanos. Talvez eu não esteja acostumado a ser humano, esse corpo pretensioso a se manter em pé ante qualquer adversidade da vida. Sou daqueles que se dobram diante a vida, como a um animal morto de fome, sede ou fumo. Quero a fumaça das brumas e todo o mistério que ela contém. Não me basta sorrir para estranhos, quero lhes beijar e senti-los animais como a mim. Quero abraçá-los e dizer que a vida se resume a isso e nada mais. Talvez dormir bem seja o grande remédio de tudo. Eu que morro a cada noite com meus pensamentos na cama, com minhas masturbações de gozos fracos que fazem meu braço direito reclamar: troca de braço, dá trabalho para o esquerdo que eu já não aguento mais teu prazer improfícuo! Ahhhh, quem não aguenta mais sou eu, porra de braço, eu que durante as noites gozo sozinho! Soubesses o quanto é triste não me repreenderias! É como cozinhar para si mesmo, matar sua própria fome, comer como um rei, mas não dar de comer a quem também tem fome! E o mundo inteiro tem tanta fome que mesmo se pudesse alimentá-lo haveria outras fomes que não poderia extingui-las. Depois da fome sólida, vem a fome da arte e da própria vida. Retornaremos ao movimento modernista brasileiro: comer-me-íamos! Antropofágicos e iridescentes os dentes manchados de sangue kandiskyano, discutindo sobre a cor e a forma. Foda-se tudo isso! Pelo menos por enquanto que desejo clareza mental como diria uma amiga. Só quero Deus na ponta do dedão do meu pé. Quero gritar um grande foda-se para o mundo que por enquanto não me diz nada além de: caminha, sangra teus pés como um mártir, que tarde, mas muito tarde, os frutos de teu sacrifício florescerão como pomos de ouro.

Palavra

Se você fosse mais poético, o inaudito seria dito sem recusas. Saberia que sexo não é fazer posição de yoga, que o Kama Sutra está fora de moda e que um papai e mamãe bem feito poder ser muito mais gostoso. Mas estão todos irreversivelmente virados e revirados sem saber em qual posição ficar. E toda e qualquer palavra além é motivo de obscenidade. 

A palavra é a força do convalescente. 
A palavra é meu comprometimento com a honestidade. 
A palavra é a minha barricada revolucionária contra os balbuciadores ineptos e falidos de amor.

Rafael Geremias