Heartbreak changes people

Punha-se a cortar cebolas e chorar por horas a fio. Quando acabavam as cebolas, guardava em recipientes de plástico e congelava. Deitava-se. O dono do hortifrúti, nos primeiros dias, assim como seus familiares, deteve-se distante com suas opiniões. O verdureiro nunca havia vendido tanta cebola, seus familiares entenderam como uma fase pós-traumática de separação. Ele tinha sido largado pela namorada por um vagabundozinho da faculdade, por isso lhe concediam o direito de sofrer picando cebolas. Com o passar do tempo, tudo começou a parecer extremamente mórbido e constrangedor. Voltava da feira com sacolas de cebolas para picar e réstias de cebola envoltas no pescoço. Logo já não havia mais lugares nas paredes que não tivessem réstias penduradas. As roupas, desde os cobertores às roupas íntimas, estavam impregnadas do cheiro. Sua mãe praguejava, mas mantinha o humor temerário, gritando: meu filho, aqui em casa não criamos vampiros! Até sorria espremido em lágrimas, continuando seu ofício. O verdureiro, certa vez, deu uma sugestão: meu filho, porque não leva tomates e faz um bom molho ao sugo para comer nhoque no dia 29, traz muita prosperidade, sabia? Jogou um olhar esnobe, pagou pelas cebolas e voltou a cortar cebolas. Sua vida resumiu-se a isso, e cada dia tornava-se mais íntimo das cebolas, mais íntimo do seu abandono, mais próximo de parar de chorar. Tinha se resolvido. No fim, viajou o mundo, fez cursos de culinária, tornou-se reconhecido mestre de cozinha. Achou um novo outro amor, e pelo antigo nunca mais sofreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias