De profundis

Quem está nos meus extremos?

Leminsky ou Adélia?

Quem me encoraja a atravessar oceanos num barco de madeira sabendo que não haverá mais volta?
Tenho que deixar de ser temerário, abandonar as ideias de liberdade e ouvir mais os outros, os de bom coração que acendem velas pela convalescência do espírito adoecido pelos vícios; os de corações religiosos e bentos, que das coisas do mundo entendem tudo sem nunca terem participado dele. Onde estavam os sábios que não estavam comigo? Desconfio que não sou bento, e pronuncio isto sem mais pretensões, pois estive iludido por muito tempo sacralizando o que em mim arde de mais impuro sem pedir ajuda.

Deus,
preciso de ajuda,
mas quero continuar sendo eu!
É possível tal milagre?
É possível que numa madrugada toque o meu espírito e eu seja outra coisa melhor do que agora?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias