A do vestido rosa com bolinhas brancas

Parece que do nada a vida começou. 10 horas da manhã, carro de som anunciando coisas que não interessam a ninguém. O vento sopra em Laguna/SC farfalhando árvore. A mulher gorda, fala os seus problemas arrotando a necessidade de não sair por baixo, porque, sábia ou não, acredita estar sendo enganada o tempo todo. 

II 

Cabelo vermelho com vestido rosa de bolinha branca. E todos, para ela, uns mentirosos. Parece que sua vida é mais importante do que assistir a novela das nove. Assustei ainda mais quando ela me disse: 

- Vontade de roubar a bicicleta dela, que ela nem iria perceber. 

Logo depois, a bicicleta cai, e por guardar um repúdio tão grande por ela, exclamo: 

- Tais com o “zóio” bom... tá bem acompanhada de santo. 

-Não, ela que deixou mal apoiada a bicicleta. 

III 

Senhor, por que tenho tanto rancor por alguém que não me acha um enganador e se julga minha amiga? Será por que ela é gorda e usa aquele vestido ridículo que na minha casa serviria para cobrir o botijão de gás? Quantos preconceitos trago dentro de mim que põe espinhos na língua. Vontade de lambê-la e rasgar a pele dela, e deixar espinhos no seu clitóris, na boca, nas mãos e nos pés, deixar dias sem caminhar para que se destitua da sua arrogância, e peça ajuda para ir ao banheiro, para limparem seu cu, pois quando suas feridas se fecharem ela saia na rua beijando pés de mendigos, dando abraços gratuitos e pedindo afeto pra desconhecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias