De profundis

Quem está nos meus extremos?

Leminsky ou Adélia?

Quem me encoraja a atravessar oceanos num barco de madeira sabendo que não haverá mais volta?
Tenho que deixar de ser temerário, abandonar as ideias de liberdade e ouvir mais os outros, os de bom coração que acendem velas pela convalescência do espírito adoecido pelos vícios; os de corações religiosos e bentos, que das coisas do mundo entendem tudo sem nunca terem participado dele. Onde estavam os sábios que não estavam comigo? Desconfio que não sou bento, e pronuncio isto sem mais pretensões, pois estive iludido por muito tempo sacralizando o que em mim arde de mais impuro sem pedir ajuda.

Deus,
preciso de ajuda,
mas quero continuar sendo eu!
É possível tal milagre?
É possível que numa madrugada toque o meu espírito e eu seja outra coisa melhor do que agora?

Sabá

Dia a dia seu nome fica mais distante junto a sua imagem já borrada. Nem lembro mais de como você tomava a xícara e se servia de café. O rangido dos dentes mordendo a maçã me acordando pela manhã. Tudo fica distante, longe do que era quando existia. A distância é muito boa, e o tempo o manjar de Saturno, o destrutor, a enforcar tudo com seus anéis, a arrefecer as lembranças nas pregas da memória. Mas penso se ao escrever isto, não estou diminuindo a distância fantasmagórica da tua face frente a minha. A minha em frente a um espelho. O nosso passado ressurgido. Então, voltas a me assombrar nos sonhos com teu sexo de íncubo, o teu sêmen recém-colhido na boca de um cálice alimentando os homúnculos do nosso amor.

Matéria

Perguntas-me se tenho nojo...
Absolutamente não!
É na matéria que sai de ti
que me transubstancio em alegria.

Teu cuspe na minha boca.
A minha língua cunilíngua.
A tua matéria cinzenta.
O meu prazer escatológico.

"aspas"

Estou ansioso, por isso o traço ansioso.
Sai tudo torto. Do quadrado ao sublinhar das palavras.
Nada é mais difícil do que sublinhar o que é importante.
Faço aspas,
são as aspas do poema “”,
são as aspas do “amor”.

Are u gay?

Se não fosse tão sensível, eu lhe contaria tudo sem restrições. Se você entendesse que palavras são palavras, e que todas as letras ferem e curam ao mesmo tempo. Mas sou um grande cínico. Rio, mas estou chorando (vice-versa). Eu realmente te amo. Eu realmente te odeio. Falo tudo isso com a mesma expressão, conhecendo-me não deveria se assustar. Abro a boca e já está a se esconder debaixo das cobertas, enquanto maliciosamente perscruta-me com um olhar infantil. Sim, você parece uma criança fugindo das palmadas, mas desejoso de levá-las e sentir o ardor proporcionado. Parece masoquista. Você é masoquista? Pareço Amy Winehouse perguntando ao seu menino: Are u gay? Sim, você realmente não é o homem que eu supus ser.

Palavrório de três versos

Hai-kai é poesia de espírito refinado.
Escrevo palavrório
que é muito mais fácil.

Palavrório de três versos


Se falas comigo, ignoro.
Estou às portas do reino
e só admito falar com o rei.

A do vestido rosa com bolinhas brancas

Parece que do nada a vida começou. 10 horas da manhã, carro de som anunciando coisas que não interessam a ninguém. O vento sopra em Laguna/SC farfalhando árvore. A mulher gorda, fala os seus problemas arrotando a necessidade de não sair por baixo, porque, sábia ou não, acredita estar sendo enganada o tempo todo. 

II 

Cabelo vermelho com vestido rosa de bolinha branca. E todos, para ela, uns mentirosos. Parece que sua vida é mais importante do que assistir a novela das nove. Assustei ainda mais quando ela me disse: 

- Vontade de roubar a bicicleta dela, que ela nem iria perceber. 

Logo depois, a bicicleta cai, e por guardar um repúdio tão grande por ela, exclamo: 

- Tais com o “zóio” bom... tá bem acompanhada de santo. 

-Não, ela que deixou mal apoiada a bicicleta. 

III 

Senhor, por que tenho tanto rancor por alguém que não me acha um enganador e se julga minha amiga? Será por que ela é gorda e usa aquele vestido ridículo que na minha casa serviria para cobrir o botijão de gás? Quantos preconceitos trago dentro de mim que põe espinhos na língua. Vontade de lambê-la e rasgar a pele dela, e deixar espinhos no seu clitóris, na boca, nas mãos e nos pés, deixar dias sem caminhar para que se destitua da sua arrogância, e peça ajuda para ir ao banheiro, para limparem seu cu, pois quando suas feridas se fecharem ela saia na rua beijando pés de mendigos, dando abraços gratuitos e pedindo afeto pra desconhecido.

Heartbreak changes people

Punha-se a cortar cebolas e chorar por horas a fio. Quando acabavam as cebolas, guardava em recipientes de plástico e congelava. Deitava-se. O dono do hortifrúti, nos primeiros dias, assim como seus familiares, deteve-se distante com suas opiniões. O verdureiro nunca havia vendido tanta cebola, seus familiares entenderam como uma fase pós-traumática de separação. Ele tinha sido largado pela namorada por um vagabundozinho da faculdade, por isso lhe concediam o direito de sofrer picando cebolas. Com o passar do tempo, tudo começou a parecer extremamente mórbido e constrangedor. Voltava da feira com sacolas de cebolas para picar e réstias de cebola envoltas no pescoço. Logo já não havia mais lugares nas paredes que não tivessem réstias penduradas. As roupas, desde os cobertores às roupas íntimas, estavam impregnadas do cheiro. Sua mãe praguejava, mas mantinha o humor temerário, gritando: meu filho, aqui em casa não criamos vampiros! Até sorria espremido em lágrimas, continuando seu ofício. O verdureiro, certa vez, deu uma sugestão: meu filho, porque não leva tomates e faz um bom molho ao sugo para comer nhoque no dia 29, traz muita prosperidade, sabia? Jogou um olhar esnobe, pagou pelas cebolas e voltou a cortar cebolas. Sua vida resumiu-se a isso, e cada dia tornava-se mais íntimo das cebolas, mais íntimo do seu abandono, mais próximo de parar de chorar. Tinha se resolvido. No fim, viajou o mundo, fez cursos de culinária, tornou-se reconhecido mestre de cozinha. Achou um novo outro amor, e pelo antigo nunca mais sofreu.

Rafael Geremias