Garçom, sirva-me com prontidão

Matei o medo covarde com covardia. Três balas de menta e alguns parágrafos de digressões, por favor! Garçom, meu sintomático garçom, traga-me a cerveja mais barata e uma dose de conhaque sem gelo, por favor. Meu sintomático garçom, abaixe suas calças e me coma sobre a mesa na frente de todos aqueles que se permitirem ver, e que todos se excitem concupiscentes do meu gozo. Garçom, sirva-me com prontidão lasciva e pervertida, como quando se brinca com cenouras, cabos de guarda chuva e escovas de dente. Risos de perversão. Risos de digressões estilísticas. 

Lembro-me da série “Vegetais” que vimos no sex shop, ma chérie. Seria hilário e sexual brincar com eles agora. Retirá-los da geladeira fantasiando sobre suas diversas funções. É como ter afeto e sexo cheio de amor próprio, sem se envergonhar das posições escabrosas feitas para adaptar o corpo ao objeto. Garçom, um pouco de lubrificante para o menino ali no sofá... quem sabe umas lambidas, uns ósculos grego, ou uma cheirada parceira de reconhecimento entre os cães. Parceria é tudo! Todavia o desejo em parceria é melhor ainda! (euforia). É quando nos reconectamos a algo primitivamente latente, pronto para transformar-nos numa besta, num animal selvagem, num xamã surpreso de estar lendo A filosofia na alcova. 

E porque tantos traumas: pênis são pênis, vaginas são vaginas, e a sodomia existe desde quando o mundo é mundo. É como andar em pares: desde a Arca de Noé que as coisas andam aos pares, e depois trocam de pares naturalmente. Vicioso ciclo a que nos propomos. Estamos sempre dispostos a dar nossos corpos por minutos de gozo, por minutos de encaixe, pois onde há buracos, queremos preencher ou sermos preenchidos, ou preencher e ser preenchidos ao mesmo tempo. E mesmo quem não gosta de sexo, dá seu sexo em troca de um copo d’água. Mas claro que todos gostam de sexo, pois todos somos pequenas bestas pervertidas capazes de fazer coisas que diante dos pais não faria, ou suporia dizer que gosta de coisas escatológicas numa mesa de restaurante para manter-se elegantemente comprometido com o currículo adquirido. Mas quem realmente se importa? Esse negócio de dama na sociedade e putão na cama pra mim não cola mais, a não ser que seja fetiche de homem machista e contra os fetiches não me pronuncio, desde que todos estejam cientes da situação e saiam da transa realizados. 

Ah! Como é bom escrever sobre sexo abertamente, é como uma masturbação intelectual gratificante, escolher as palavras certas, gemer interjeições e gozar reticências... Mas nada substitui a velha transa: pele com pele e desejo visível em toda sua excitante volumetria e secreção, sem eufemismos ou não me toques, porque, compactuando com a personagem do livro a Casa dos Budas Ditosos, o objetivo da vida é foder! Simples assim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias