Padrão de amor


És meu.
Disse-lhe cravando os olhos nos olhos dele.

Olhos meus: garras
Olhos teus: presa.

És tu meu bibelô,
És tu coisa de outra coisa que já tive,
Reavivamento da lembrança,
Ou outro corpo com a mesma lembrança?
Ah,
Que a tua vida pertencida a mim,
é vida adquirida.

Derivação
Ah,
que a tua vida pertencida a mim,
é a tua própria vida adquirida.
 

Ritual


Quem me fez mal, partiu há muito tempo. Enfiou suas coisas nos bolsos, pegou o ônibus e não voltou mais. Eu disse novamente: quem me fez mal, partiu há muito tempo. Aí o abracei, e fui abraçado também. Fomos adormecendo, protegendo um ao outro dos espíritos traquinas que até ontem nos assolavam. Durante toda a noite, atravessamos cenários tempestuosos, desérticos, alagadiços, espaços vazios de qualquer coisa .

- Estou com medo, mesmo sabendo que preciso desse vazio.

Respondi-lhe cantando:

- like you always say
Safe travels,
Don’t die,
Don’t die…

Estávamos numa ponte sobre o nada, a mesma ponte que passei há alguns dias, e confuso por não entender meu destino, acabei lançando abaixo um cão negro. Mas agora, eu segurava a sua mão, suada pelo medo de não saber por qual caminho o levava, e se deveria manter-se confiante em mim.

Peguei sua mão, coloquei-a nos meus lábios para que sentisse a vibração das palavras e, conseqüentemente, seu corpo entrasse na freqüência do meu corpo:

- Hei, sou eu... Quem te fez mal, partiu há muito tempo.

A minha alegria


Minha tristeza,
eu guardo com mais cuidado
no cenho franzido.
Ou choro escondido,
porque ninguém tem nada a ver
com as minhas lágrimas.

Agora,
minha alegria,
eu deposito nos dentes,
com os lábios em regalo
apontando
(sem medo das possíveis verrugas)
a estrela que me fez sorrir hoje.

à noite!


Esta noite, no meu sonho, cobriram o meu corpo com argila branca e me carregaram da sala de massagem para a área da casa. Deixaram-me lá secando. Quando o sol se pôs, vieram retirar a casca seca. Surpresa e aflição minha: cada parte de argila retirada, a pele vinha grudada, e o que vi não foram músculo, gordura e osso, o que vi foram claras e gemas de ovos.

Fetichismo


Quão profano estarei sendo ao confessar que fiquei excitado ao vê-lo sentado à mesa com os braços despojados sobre ela?
Nada. Nada profano.
Profano foi ficar excitado com o escapulário contornando o seu pescoço.

Diálogo


Você: E tu não és?
Eu: Sou. Mas não quero ser aquilo o que os outros dizem que eu sou.
Você: Melhor é ser outro

Documentos-projeto


Que o quarto seja materialização do caos emocional. O resto pode ser como deve ser em todas as casas, obedecendo às triangulações de serviço; a sala para receber amigos, a cozinha para se cozinhar, o banheiro inglês pra mascarar a dor de barriga abrupta acometida. Mas o quarto deverá ser o mais instigante possível: Luzes coloridas-temperamentais, clarabóias lunares, produtos de uma imaginação fértil de sonhos e fetiches. Que o quarto seja o centro da casa, e que todos, caso visitem seus sonhos, tenham que transpassá-lo para pegar um copo de leite na geladeira.

Para o fluxo pensado, haverá portas limitando os quadrantes dos outros ambientes, ou ligados por coisas absurdas, como uma figura de um rabanete, ou uma máquina de lavar roupa. Por tantas associações, acabe trafegando entre o puramente cinéfilo-teatral aonde muito bem poderiam contracenar Louis Garrel, Natalie Portman ou Harrison Ford, o matador de andróides na cidade ultra-moderna de Blade Runner. Que seja equipado com televisões, um super som que toque suas músicas favoritas, como num bar de blues. Mas que teu quarto seja nada menos que inventivo, e moldável ao teu gosto, como uma engenhoca útil às faculdades mentais de criação. Que teu quarto seja nada menos que teu sonho.

Uma visão sobre a psicanálise


Eu te amo tanto, mas tanto, tanto. Te amo com a força de um pênis ereto; de uma vagina molhada. Te amo ainda mais quando me masturbo, e como numa sessão espírita, veicula-me teu espírito etéreo no meu fazendo-me gozar nos ladrilhos do banheiro.

Eu te amo de forma imoral, de forma romanceada e restrita como amo a minha mãe. Lembra quando te chamei de “mãe” ao invés de “amor”? Acho que não percebeu, porque na realidade a palavra “amor” veio vinculada à “mãe”, escapulindo num “amorãe”. Senti-me tão envergonhado por saber da raiz do meu amor, que para suplantá-lo, coloquei sua estátua no meio da sala e devotamente passei a mão no seu pênis. O que não adiantou; eu continuei nesse amor materno improfícuo que borrava tua imagem.

Disse-me:

- eu sou tão parecido com seu pai...
só quero seu bem, filho...
quero me orgulhar do filho que tenho.

Eu:
 
- Oh pai, e sabe você que também quero te dar orgulho? Um orgulho que não desmereça a nossa hereditariedade máscula, que não destitua nossa função de fecundar, de dar vida; de manter o clã renovado, mas repetindo os problemas habituais do círculo, porque o habitual é mais fácil de suportar.

(...)

Sempre é melhor aquilo que eu posso suportar, pai. Engraçado é que quando me dirigi a ti agora, simbolicamente prostrei-me como uma criança ajoelhada ao lado da cama pedindo proteção ao anjo da guarda, pois seu amor adquirira o peso dos céus.

Eu:

- não te amo mais! (pai)
- não te amo mais! (mãe)
- não te amo mais! (você)

Rafael Geremias