Uma visão sobre psicanálise


Eu te amo tanto, mas tanto, tanto. E por te amar e não poder te ter, obrigo-me a amar suas coisas. Passo a ler os teus livros da estante, escutar as tuas músicas, vestir as tuas roupas. Na cozinha, divido a carne suculenta em mínimos pedaços, e as desço pela garganta transubstanciando-me nos teus gostos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias