Quero um problema com seu nome


O fim é mais desesperador que o próprio início. Ao mesmo tempo, a mente organiza-se para que haja um fim adequado para todas as histórias. Talvez eu mate um personagem, mesmo sabendo que não é desse jeito que se pode levar a vida com maturidade. Nem sempre os vilões morrem para satisfazer a necessidade careta dos mocinhos. Ah, que ninguém nesse mundo é tão ruim assim. Nem meu pai grosseiro é tão ruim assim, comprovei isso quando ele deu uma segunda chance de emprego ao seu funcionário, que foi demitido por justa causa por tê-lo roubado suas ferramentas. Ah, que nem meu pai é tão ruim assim. Mas você... você também não é tão ruim assim, e bem no fundo da racionalidade, acho explicações convincentes para as mais terríveis coisas que fez comigo, aí, vai ficando oculta de mim a sua imagem. E de repente, vejo-me absurdamente necessitado da sua inundação, da sua presença idiota não sabendo o que fazer para me agradar. Por fim as brigas, o sexo, e a fome desesperada por besteiras.

Escolho a lamentação, ainda que apavorado e recoberto de moralismos. Choro pelos cantos a tempestade alagadiça que tínhamos nos arrabaldes da pele. E quero seus bofetes no rosto. Depois a rosa como pedido de desculpas, porque nem você se aceita pintado de monstro. Quero um problema de verdade. Não pequenos e múltiplos problemas sem nome. Quero um problema com seu nome. Mistério que ainda não revelei. Quero um problema com seu nome ou a sua morte. E fazer valer as palavras do Seu Neruda à Matilde Urrutia. Para voltar a escrever mais poesias que tentativas de conto.

3 comentários:

  1. Essa palavras matam um sabia?!
    Além de lindo, ainda cita Neruda, que é filho da puta mais lindos de todos os lindos... Cada dia te amo mais!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. ...
    -Às vezes dá até vontade de agradecer por algumas cosas que leio.

    ResponderExcluir

Rafael Geremias