Foi depois de Freud, ou antes, que tudo no mundo perdeu sua inocência? As crianças, já são adultas sem o saberem. Vêm com seus temores, impossibilidades, maldades. O menino tem suas primeiras ereções, e a menina entende seu corpo como um volume erógeno. E todos eles já cometem incesto sem saber. Depois eles crescem e amam seus pais como amam seus primeiros companheiros, mas eles muitas vezes também não saberão disso, todavia não posso julgá-los mais ou menos idiotas que eu. Aí somos todos adultos procurando uma aprovação que nem Deus, criatura misericordiosa e evoluída, poderá fazê-lo.

Acabamos por estragar tudo o que nos cerca, porque nos é indefinível a luta que travamos com o mundo, que já não têm vilões ou heróis, e se houver, desejamos tragicamente ser heróis e conquistadores, enquanto os outros sãos conspiradores afoitos por nos derrotar. Talvez por isso nos comprometamos sempre com os mocinhos dos filmes, mesmo que estes às vezes batam em seus filhos, em suas mulheres, ou abram seus caminhos por meio de balas. Será isso mesmo?

Estamos sempre nessa torrente arrebatadora do bom-mau-caráter. Traímos como Judas traiu Jesus, mas nós somos perdoáveis, enquanto Judas, um crápula que realmente deve arder e figurar como comparsa do Diabo. A não ser quando estamos drogados, porque nesse estado sempre encontramos razões para coisas abomináveis, e sentimos compaixão por nós, pelos outros, e instantaneamente somos todos perdoáveis, iguais e pertencentes ao grupo dos mocinhos. Porque graças a Freud, que talvez não explique tudo, mas sempre tem uma resposta engajada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias