A linguagem absoluta

Variação para um fim

Depois que o poema me aconteceu,
transplantei quantos corações pude
até que fosse preciso transplantar o meu também.

- porque é hora de arrefecer
tudo o que em mim
era dos outros

- porque é hora de amadurecer
a ambigüidade do verso
na ementa contínua da lei

e ser menos que o sonho
e ser menos que o homem.

Fim


Na tentativa de comprimir meu coração:
ter corpo de sapo
o corpo que me queriam:
Eu desisti.

Usurpei o corpo de um elefante:
nele fiz dos meus sonhos inflados
a savana da minha fantasia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias