A linguagem absoluta

A primeira vez que bateram à porta de casa
estava sentado com um pijama esquisito
uma xícara de chá verde
e a vontade inconveniente de que um poema me acontecesse.

Um feito da impossibilidade:

Abri a porta
O grotesco sonhador no alpendre
Implorava-me outro corpo que alojasse seu coração
Que dilatado de frustrações por ora desistia.

- diminui meu coração
faz caber no corpo de pombo
de galinha, de gato,
de peixe... diminui meu sonho!

- mas só tenho poesia!

Um feito da impossibilidade:

Na biblioteca
uma cirurgia de emergência
Abri o peito do homem
Abri o peito do pombo
Comprimi o coração do homem
Aumentei o coração do pombo

Transplantei

O pombo no corpo do homem
O homem no corpo do pombo
O pombo desolado pelo vazio do homem
O homem arrefecido sem sonhos no corpo do pombo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias