A linguagem absoluta


O que havia nos seus olhos, havia também no seu corpo e há no meu corpo em dias assim: ando de gatinhas pelas ruas da cidade, pelo asfalto borbulhante, pelas poças d’água. Vou de ponta a ponta pelos tubos de esgoto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias