A linguagem absoluta



Na porta da minha casa
Comecei a deitar trilhos
Fiz curvas
Subi serras
Atravessei rios
Enfim olhei pra cima, acima era um prédio sem fim
Impossível de reter na minha solidão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias