A linguagem absoluta - 23

23

Descubro o título. Ele fala de mim. Mais adiante fala de nós e permanece desconhecido esse nós que ainda não existe. Queria te dedicar o que escrevo sem abreviações. Antes desejaria estar escrevendo cartas e as remetendo-te por correio. Mas não posso, seria inconveniente e o meu maior medo é o de ser invasivo na tua presença. Então, vou me contando aqui, e compondo imagens seguras até o dia em que eu possa te chamar pelo nome, e conseqüentemente, quando fulgurarmos numa paixão, chamar-te de meu amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias