A linguagem absoluta - X


Talvez eu me acostume ao amor que tu dispensas. Amor já repetido, plácido, bucólico, com aspecto de coisa nem boa nem má como tudo aquilo construído pelo tempo. Tipo de amor-objeto que fica sobre a mesa eternamente se dando aos olhos, mas que não permite mais a mão. 
Talvez eu me acostume ao teu já costumeiro amor, assim de súbito como de súbito te amo e amo outro. Outro que me atualiza. Outro que me é a própria vida abrupta abrindo passagens, comendo-me com afeto de descoberta de terra fértil. Outro que por dois dias fecunda-me com tubérculos de delicadezas mil e na colheita extrai sem esforço essa minha riqueza resignada na tua presença.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rafael Geremias