apontamento triste para o natal

porque o mais íntimo de mim grita solidão
é que me sirvo de silêncios súbitos
e inóspitas paragens.

24/12/2010


apontamento

se for me repetir
que eu me repita do seu lado
pelo hábito de sorver
o continuo
e inevitável sempre.
Permita que a faca
fure olhos e respingue 
na boca o homicídio. 
Sou feitor de lendas 
e dos próximos assassinos 
que assim como eu 
continuarão deitando pelos séculos 
os homens manchados
pela covardia. 

Sobre Marta

Marta tem me consumido durante dias e noites. Há momentos em que preciso mandá-la embora, essa mimada.
A verdade é que estou apaixonado por Marta, e caso não a mate antes das 40 páginas, terei um romance.

Marta

Inverno de alguma data não muito precisa. Marta levanta-se com o corpo dolorido por ter dormido em posição fetal, por isso mais cansada do que quando se deitou à noite anterior. Já na cozinha, Marta reacende seu cigarro que mantém escondido na gaveta de talheres, há dois anos que ela adquiriu este hábito de fumar meio à noite e meio de manhã. Toma um gole de guaraná que a esperta, e segue rotina. 

Marta possuía apenas vinte e dois anos, fumava há dez; começou por que achava elegante aquelas mulheres dos filmes. Fez faculdade de música, e era bem sucedida, tocava na orquestra estadual. Não era casada e nem tinha filhos. Morava sozinha, sem nem ao menos um gato para fazer-lhe companhia, e sua vida não era insuportável por todas essas suas não personagens adquiridas pelo tempo, quem sabe isso tivesse algum papel secundário, todavia o que tornava sua vida uma merda era aquela monotonia monocromática que ela tinha que aturar pela manhã. 

Existe um breve momento, breve, mas que perdura o tempo exato para que tu percebas que deves procurar um novo caminho, revolucionário em essência, que o leve para mundos desconhecidos, românticos, colorido de vermelho de boca de menina nova e sensual ou de vermelho vestido-para-matar. 

Marta abre a gaveta de seu guarda-roupa para pegar sua luva, o cheiro de naftalina, de tempo morto conservado a formol, entra por sua narina e a desestabiliza, por reflexo segura-se para não cair, porém, decide cair, solta em queda livre, pronta para se permitir existir. Momento impasse, passo ou me passa? Opta por passar. 

Ela põe seu violão sobre as costas e abandona o violino, maldito instrumento que a conquistou pela estabilidade financeira em uma orquestra. Leva também algumas roupas, pouco dinheiro, iria ser artista de rua, viajar e viajar sem rumo certo, andarilho de praça mostrando o melhor que tem pelo o mínimo que os transeuntes têm a oferecer, quem sabe um prato de comida, uma parada repentina para ouvir o que ela tinha para tocar e cantar, isso já era maravilhoso, ter a atenção de alguém nesse mundo que tem pressa de tudo. 

Linguagem Absoluta

O dia em que as coisas têm gosto de nada
Todas as coisas com gosto de nada
Dia em que as coisas não me pertencem
Não me pertencem de imediato
O gosto das coisas é uma forma de possuí-las de imediato
Põe uma colher de açúcar sobre a língua
e o doce na ponta te pertence
Propenso ao excesso te responsabiliza pelo
dulcíssimo dulcíssimo dulcíssimo
e à noite tem gosto de tudo
Todas as coisas com gosto de tudo
Noite em que as coisas me pertencem
Me pertencem de imediato
O que eu faço de imediato com o excesso
Dôo perdôo
me farto até que me falte no dia
o gosto de tudo.

Parágrafo

Parágrafo
Sou dado as coisas assim prontas, como quando uma coisa alude a outra e tudo flui em harmonia; um futuro rodeado na ciranda que deita rodas gigantes em carrosséis, assegurando-me giros sem alturas. As coisas assim prontas surgem do meu anexionismo: o que me é compreensível é porque também me compreende, o resto ignoro; os que insistem, construo divisas e isolo.

Para controlar o tempo

Tudo se constrói em cima do tempo,
as horas vagueiam e continuam absolutas
os carros trafegam sob claridade ou escuridão
ora sim ora não numa verdadeira matemática;
escrever é uma forma inútil de ir contra,
vencer-lhe,
só através do sono e
no entanto ele não vem.

Fosse-me concedido algo,
pediria o eterno cansaço
para dormir eternamente,
perdi o gosto pelas coisas que não são novidades
e por não tê-las,
mantenho-me  inerte.

Porque o tempo amiúde
fez que o homem percebesse que não existe
auge em nenhuma fase da vida,
a todo momento se morre, se perde,
o que estava aqui antes
o tempo deu um jeito de inibir.

*
Será preciso, para controlá-lo,
pressentir a hora exata.
O problema é que a hora exata
é também  o limite,
ou se avança ou se retrocede
e saber em qual das direções se ganha ou se perde,
ou melhor,  em qual caminho
se perderá menos
é a maior das tarefas.

*
Então,
não acredito que há um tempo certo para cada coisa
nem que estamos adiantados ou atrasados diante delas
nunca cheguei cedo ou tarde demais, também nunca
pressenti a hora exata, mas dou às costas a ele
e ajo.


Para reafirmar a poesia

Três pingos d’água.
Ao chão chegarão dois.
Para reafirmar a poesia
um se perderá no espaço.

Três estalos no telhado
reconhecerão dois gatos.
Para reafirmar a poesia
um será desconhecido.

Três batidas na porta
abrirão duas.
Para reafirmar a poesia
uma continuará fechada.

-Quando conquisto o mistério,
logo arranjo um jeito de deixá-lo
mudo.

recapitulando I




Segundo ato

Como me reaproximar de ti?
É a pergunta que me faço constantemente.
Penso em inúmeras possibilidades e destas
o que me resta é a idéia de lhe enviar
meus cabelos e unhas aparados via correio.
Parece sujo, mas estes são os pedaços que já não doem.

Ultimamente, tenho me dado ao luxo de não sofrer.
Vejo-te velho e tua velhice se reconhece em mim
como parte de algo que ainda virá a ser.
Um ponto de partida entre o sim e o perverso,
a negação e a subida no ônibus.

Reencontro-o porque me persegues.
Não te busco e mesmo assim
enches tua cesta e continuas freqüentando os mesmos lugares que eu.

Vejo-te velho, porque me é semelhante a todos os
rostos que me cruzam pelo centro da cidade.
Teu rosto é comum.
Tua beleza carrega um velho encarquilhado
cuspido de fumaça e cotidiano.
cuspido de areia e vento.
E isso tudo é retórica.
São os fatos que recobro todos os dias.

Aleatoriamente escolho músicas que me remetam a ti.
Seguro tua mão imaginária e a empurro por entre minhas coxas.
Logo a beijo – Sou teu príncipe.
Cavalgo num cavalo branco clichezado de pureza,
medievo e por isso sujo como a peste que por insalubridade matou.
Tu, tu te sujas em mim e disso tenho certeza.

Ultimamente, uso o ultimamente como certeza de hoje. 

Farejas-me a distância porque me queres constrangido,
picotando retalhos, fugindo de contrariedades recorrentes do acaso.
Tu já foste meu personagem,
atuou naquela peça sobre mocinhos que eram
na verdade vilõezinhos travestidos
que falavam contundentemente frases de impacto e
a platéia em frenesi, extasiava-se nos atos e os julgava
erroneamente: - Deveriam ficar juntos!

Também acho, assim como acho muita coisa.
Devíamos ficar juntos, entediando-se um com outro,
porque a liga do amor é o tédio.
Sem monotonia, desconsidera-se o conceito

Releio.
Procuro a imagem práxis que dê acesso a todos. 
Reencontro. 
Segundo Ato

Há uma porta onde todos transpassam.
A porta na qual nos perdemos racionalmente;
que entreaberta indaga, corrompe, permite.
A que ultimamente o reencontro intoxicado
de falsas perspectivas porque quando ela suspira
nos teus olhos, estremeces e absténs.

Pita às baforadas contínuas de teu cigarro
e na fumaça me ama.

Terceiro Ato

Perder-se de fato, é fácil.
Em certos momentos a vida me disse:
- Intoxique-se!
Fumo.
Estremeço.
Sigo.
-Apaixone-se!
Aqui estou.
Quarto Ato

Transponho e me acomodo ao teu lado.
Obviamente não o encontro, igualmente nem existes.
Mas te suponho e guardo em imagens surreais
que faço de ti, o mantenho preso em qualquer parte.

És merecedor de todas as crueldades e alegrias que comunico

Tinjo tudo isto com teu tom de pele perturbada
pois assim o entendo por completo.
Ralho meu corpo no teu,
pinto-me com tua cor puída nos punhos
e mancho teus lábios com palavras vagas,
porque me lês e nisto te reconheces,
negas, mas releva.

recapitulando

Das dedicatórias escondidas 
ou 
Das dedicatórias que não lhe dediquei 
ou 
Ao meu amor 



Das dedicatórias escondidas 
perfilam-se nos lábios 
e repousam. 

Extremamente cautelosa 
a confissão contida e paciente 
convulsiona-se 

e sobre teu ouvido 
derrama-lhe o amor sutil e refinado 
com bendita dose de acanho, 
porque quem ama 
enrubesce a face 
e carrega em si um vermelho doído de ausência e prontidão. 

ou 

Das dedicatórias que não lhe dediquei 
e foram muitas, 
Mas todas foram possíveis poemas 

em cada verso enrodilhava teu corpo 
num lirismo absurdo 
de te amo 
te amo 
te amo 
te amo 

ou 
Ao meu amor 

Amo 
antes do primórdio 
de te conceber como idéia de amor 
antes das palavras indiscretas 
que te disse uma vez. 

Por que já te amava na suposição, 
e na construção abstrata 
te enchia de ares 
lambia teus dedos sujos, 
e no teu corpo dançava 
pintado a vermelhão. 

Com cinzéis te reinventava a grosso modo 
te reproduzia esculpido em versos, 
e na minha língua sibilava vontades 
que forçosamente te serviam como passe 
até mim. 

ou 
o poema tentativa 
como na teoria do Big Bang 
acumular-se-ia na ponta de um 
alfinete 
e recriaríamos o universo. 

ou 

- Eu sempre te amei 
você só não tinha aparecido antes. 

A linguagem absoluta

O que faço quando tenho vontade de engolir tuas escritas Abro a goela dormito no estômago acidifico ou adoço decomponho Ou esfregá-las no corpo num gesto irreverente crente fremente e depois poente No seu ato antropofágico (livre direito) comes o meu mundo eu autofágico saliente inconstante imprudente experimento tua linguagem tassiente. 


Para Tassi

A linguagem absoluta

Ai! com a palavra falada me esgarço todo. Sou tímido no m’eu te amo, no m’eu te adoro, nos m’eus te. Ai! com a palavra falada tenho gagueiras múltiplas, sou constrito, sou imperscrutável. Ai! mas com a palavra escrita sou m’eu te amo variável K, cresço, decresço, sou tua função em tua função. Invento um mundo piegas, engomo a tua cama com açúcar e pra não pisar descalço, me certifico de ter ao pé da cama meu tapete de yoga e um par de chinelos: sabe Deus o que sentirei quando você pisar e sentir frio: sabe Deus o que será de mim se a culpa ter sido minha. Mas com a palavra escrita eu retomo o discurso e floreio com gérberas e crisântemos o m’eu cuido de ti e você de mim, pois é sabido que nosso amor é concordância ideológica: tu falas, nós escrevo.

Rafael Geremias