Quando entendia sua fome



põe aspereza sobre meu corpo; põe lixa.
põe também cacos, facas e espinhos.
põe sua fome e me enterre os dentes
que na boca exaltarei meu regalo.

variável

põe aspereza sobre meu corpo; põe lixa.
põe também cacos, facas e espinhos.
põe sua fome e me coma como antes
que exaustos, estatelávamos a boca em regalo.

variável

prefiro que salpique sal com pimenta
do que me destempere.
-bom é quando lhe colocam com fome no prato.


6 comentários:

  1. "- bom é quando lhe colocam com fome no prato."


    Está lindo amor, parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Pôr um espinho na garganta
    e sangrar
    sangue de uma canção,
    voz de pedras,
    raiva à solta,
    cavalo na noite do tempo,
    cascos sem dilemas,
    teoremas de tudo
    e de nada.
    Só eu de sangue na mão
    pinturas rupestres
    do tempo em que eu não era
    sendo o que sou
    uma garganta afiada
    contra o agreste
    e a tempestade do medo
    casando a mentira
    com a verdade
    e gerando filhos de vento
    soprando mais espinhos
    pela garganta dentro.
    Sangro.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 26/08/2010

    ResponderExcluir
  3. Rafael passei para conhecer eu blog ele é not°10, show, espetacular desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
    Um grande abraço e tudo de bom
    Ass:Rodrigo Rocha

    ResponderExcluir
  4. prefiro que salpique sal com pimenta
    do que me destempere.
    -bom é quando lhe colocam com fome no prato.

    Adorei isso.

    ResponderExcluir

Rafael Geremias