Eis o homem e aos cachorros os que não me entenderem



(sim, referência e reverência absoluta à Nietzsche)

Deixe que eu cubra esta mesa
que aqui será altar de realidades inventadas
a que me ponho no centro

(divindade despótica e crente absoluto)

exerço meu culto
peço meu milagre
como se estivesse em outro país
e lá fosse permitido matar.

Sim, não cometo erros e nem crimes
estou acima da moralidade
mas se for preciso
reescrevo minhas leis,
porque não há religião maior do que a que inventei.

5 comentários:

  1. inusitadamente citei também Nietzsche no meu blog hoje.
    Feliz acaso cosmogônico.

    belo poema irracionalista.

    ResponderExcluir
  2. Rafael, pensei em uma maneira de falar e homenagear a todos que tanto vêm me incentivando com o carinho e apoio que me doam.
    Escrevi uma crônica pensando em nós blogueiros. Falei sobre o que penso ser o blog para nós. Você pode concordar ou discordar; pode também acrescentar; mas não deixe de opinar. Leia e entenderá por que a sua opinião é indispensável para mim e para todos blogueiros.

    Abraço do Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

    ResponderExcluir

Rafael Geremias