apontamento triste para o natal

porque o mais íntimo de mim grita solidão
é que me sirvo de silêncios súbitos
e inóspitas paragens.

24/12/2010


apontamento

se for me repetir
que eu me repita do seu lado
pelo hábito de sorver
o continuo
e inevitável sempre.
Permita que a faca
fure olhos e respingue 
na boca o homicídio. 
Sou feitor de lendas 
e dos próximos assassinos 
que assim como eu 
continuarão deitando pelos séculos 
os homens manchados
pela covardia. 

Sobre Marta

Marta tem me consumido durante dias e noites. Há momentos em que preciso mandá-la embora, essa mimada.
A verdade é que estou apaixonado por Marta, e caso não a mate antes das 40 páginas, terei um romance.

Marta

Inverno de alguma data não muito precisa. Marta levanta-se com o corpo dolorido por ter dormido em posição fetal, por isso mais cansada do que quando se deitou à noite anterior. Já na cozinha, Marta reacende seu cigarro que mantém escondido na gaveta de talheres, há dois anos que ela adquiriu este hábito de fumar meio à noite e meio de manhã. Toma um gole de guaraná que a esperta, e segue rotina. 

Marta possuía apenas vinte e dois anos, fumava há dez; começou por que achava elegante aquelas mulheres dos filmes. Fez faculdade de música, e era bem sucedida, tocava na orquestra estadual. Não era casada e nem tinha filhos. Morava sozinha, sem nem ao menos um gato para fazer-lhe companhia, e sua vida não era insuportável por todas essas suas não personagens adquiridas pelo tempo, quem sabe isso tivesse algum papel secundário, todavia o que tornava sua vida uma merda era aquela monotonia monocromática que ela tinha que aturar pela manhã. 

Existe um breve momento, breve, mas que perdura o tempo exato para que tu percebas que deves procurar um novo caminho, revolucionário em essência, que o leve para mundos desconhecidos, românticos, colorido de vermelho de boca de menina nova e sensual ou de vermelho vestido-para-matar. 

Marta abre a gaveta de seu guarda-roupa para pegar sua luva, o cheiro de naftalina, de tempo morto conservado a formol, entra por sua narina e a desestabiliza, por reflexo segura-se para não cair, porém, decide cair, solta em queda livre, pronta para se permitir existir. Momento impasse, passo ou me passa? Opta por passar. 

Ela põe seu violão sobre as costas e abandona o violino, maldito instrumento que a conquistou pela estabilidade financeira em uma orquestra. Leva também algumas roupas, pouco dinheiro, iria ser artista de rua, viajar e viajar sem rumo certo, andarilho de praça mostrando o melhor que tem pelo o mínimo que os transeuntes têm a oferecer, quem sabe um prato de comida, uma parada repentina para ouvir o que ela tinha para tocar e cantar, isso já era maravilhoso, ter a atenção de alguém nesse mundo que tem pressa de tudo. 

Linguagem Absoluta

O dia em que as coisas têm gosto de nada
Todas as coisas com gosto de nada
Dia em que as coisas não me pertencem
Não me pertencem de imediato
O gosto das coisas é uma forma de possuí-las de imediato
Põe uma colher de açúcar sobre a língua
e o doce na ponta te pertence
Propenso ao excesso te responsabiliza pelo
dulcíssimo dulcíssimo dulcíssimo
e à noite tem gosto de tudo
Todas as coisas com gosto de tudo
Noite em que as coisas me pertencem
Me pertencem de imediato
O que eu faço de imediato com o excesso
Dôo perdôo
me farto até que me falte no dia
o gosto de tudo.

Parágrafo

Parágrafo
Sou dado as coisas assim prontas, como quando uma coisa alude a outra e tudo flui em harmonia; um futuro rodeado na ciranda que deita rodas gigantes em carrosséis, assegurando-me giros sem alturas. As coisas assim prontas surgem do meu anexionismo: o que me é compreensível é porque também me compreende, o resto ignoro; os que insistem, construo divisas e isolo.

Para controlar o tempo

Tudo se constrói em cima do tempo,
as horas vagueiam e continuam absolutas
os carros trafegam sob claridade ou escuridão
ora sim ora não numa verdadeira matemática;
escrever é uma forma inútil de ir contra,
vencer-lhe,
só através do sono e
no entanto ele não vem.

Fosse-me concedido algo,
pediria o eterno cansaço
para dormir eternamente,
perdi o gosto pelas coisas que não são novidades
e por não tê-las,
mantenho-me  inerte.

Porque o tempo amiúde
fez que o homem percebesse que não existe
auge em nenhuma fase da vida,
a todo momento se morre, se perde,
o que estava aqui antes
o tempo deu um jeito de inibir.

*
Será preciso, para controlá-lo,
pressentir a hora exata.
O problema é que a hora exata
é também  o limite,
ou se avança ou se retrocede
e saber em qual das direções se ganha ou se perde,
ou melhor,  em qual caminho
se perderá menos
é a maior das tarefas.

*
Então,
não acredito que há um tempo certo para cada coisa
nem que estamos adiantados ou atrasados diante delas
nunca cheguei cedo ou tarde demais, também nunca
pressenti a hora exata, mas dou às costas a ele
e ajo.


Para reafirmar a poesia

Três pingos d’água.
Ao chão chegarão dois.
Para reafirmar a poesia
um se perderá no espaço.

Três estalos no telhado
reconhecerão dois gatos.
Para reafirmar a poesia
um será desconhecido.

Três batidas na porta
abrirão duas.
Para reafirmar a poesia
uma continuará fechada.

-Quando conquisto o mistério,
logo arranjo um jeito de deixá-lo
mudo.

recapitulando I




Segundo ato

Como me reaproximar de ti?
É a pergunta que me faço constantemente.
Penso em inúmeras possibilidades e destas
o que me resta é a idéia de lhe enviar
meus cabelos e unhas aparados via correio.
Parece sujo, mas estes são os pedaços que já não doem.

Ultimamente, tenho me dado ao luxo de não sofrer.
Vejo-te velho e tua velhice se reconhece em mim
como parte de algo que ainda virá a ser.
Um ponto de partida entre o sim e o perverso,
a negação e a subida no ônibus.

Reencontro-o porque me persegues.
Não te busco e mesmo assim
enches tua cesta e continuas freqüentando os mesmos lugares que eu.

Vejo-te velho, porque me é semelhante a todos os
rostos que me cruzam pelo centro da cidade.
Teu rosto é comum.
Tua beleza carrega um velho encarquilhado
cuspido de fumaça e cotidiano.
cuspido de areia e vento.
E isso tudo é retórica.
São os fatos que recobro todos os dias.

Aleatoriamente escolho músicas que me remetam a ti.
Seguro tua mão imaginária e a empurro por entre minhas coxas.
Logo a beijo – Sou teu príncipe.
Cavalgo num cavalo branco clichezado de pureza,
medievo e por isso sujo como a peste que por insalubridade matou.
Tu, tu te sujas em mim e disso tenho certeza.

Ultimamente, uso o ultimamente como certeza de hoje. 

Farejas-me a distância porque me queres constrangido,
picotando retalhos, fugindo de contrariedades recorrentes do acaso.
Tu já foste meu personagem,
atuou naquela peça sobre mocinhos que eram
na verdade vilõezinhos travestidos
que falavam contundentemente frases de impacto e
a platéia em frenesi, extasiava-se nos atos e os julgava
erroneamente: - Deveriam ficar juntos!

Também acho, assim como acho muita coisa.
Devíamos ficar juntos, entediando-se um com outro,
porque a liga do amor é o tédio.
Sem monotonia, desconsidera-se o conceito

Releio.
Procuro a imagem práxis que dê acesso a todos. 
Reencontro. 
Segundo Ato

Há uma porta onde todos transpassam.
A porta na qual nos perdemos racionalmente;
que entreaberta indaga, corrompe, permite.
A que ultimamente o reencontro intoxicado
de falsas perspectivas porque quando ela suspira
nos teus olhos, estremeces e absténs.

Pita às baforadas contínuas de teu cigarro
e na fumaça me ama.

Terceiro Ato

Perder-se de fato, é fácil.
Em certos momentos a vida me disse:
- Intoxique-se!
Fumo.
Estremeço.
Sigo.
-Apaixone-se!
Aqui estou.
Quarto Ato

Transponho e me acomodo ao teu lado.
Obviamente não o encontro, igualmente nem existes.
Mas te suponho e guardo em imagens surreais
que faço de ti, o mantenho preso em qualquer parte.

És merecedor de todas as crueldades e alegrias que comunico

Tinjo tudo isto com teu tom de pele perturbada
pois assim o entendo por completo.
Ralho meu corpo no teu,
pinto-me com tua cor puída nos punhos
e mancho teus lábios com palavras vagas,
porque me lês e nisto te reconheces,
negas, mas releva.

recapitulando

Das dedicatórias escondidas 
ou 
Das dedicatórias que não lhe dediquei 
ou 
Ao meu amor 



Das dedicatórias escondidas 
perfilam-se nos lábios 
e repousam. 

Extremamente cautelosa 
a confissão contida e paciente 
convulsiona-se 

e sobre teu ouvido 
derrama-lhe o amor sutil e refinado 
com bendita dose de acanho, 
porque quem ama 
enrubesce a face 
e carrega em si um vermelho doído de ausência e prontidão. 

ou 

Das dedicatórias que não lhe dediquei 
e foram muitas, 
Mas todas foram possíveis poemas 

em cada verso enrodilhava teu corpo 
num lirismo absurdo 
de te amo 
te amo 
te amo 
te amo 

ou 
Ao meu amor 

Amo 
antes do primórdio 
de te conceber como idéia de amor 
antes das palavras indiscretas 
que te disse uma vez. 

Por que já te amava na suposição, 
e na construção abstrata 
te enchia de ares 
lambia teus dedos sujos, 
e no teu corpo dançava 
pintado a vermelhão. 

Com cinzéis te reinventava a grosso modo 
te reproduzia esculpido em versos, 
e na minha língua sibilava vontades 
que forçosamente te serviam como passe 
até mim. 

ou 
o poema tentativa 
como na teoria do Big Bang 
acumular-se-ia na ponta de um 
alfinete 
e recriaríamos o universo. 

ou 

- Eu sempre te amei 
você só não tinha aparecido antes. 

A linguagem absoluta

O que faço quando tenho vontade de engolir tuas escritas Abro a goela dormito no estômago acidifico ou adoço decomponho Ou esfregá-las no corpo num gesto irreverente crente fremente e depois poente No seu ato antropofágico (livre direito) comes o meu mundo eu autofágico saliente inconstante imprudente experimento tua linguagem tassiente. 


Para Tassi

A linguagem absoluta

Ai! com a palavra falada me esgarço todo. Sou tímido no m’eu te amo, no m’eu te adoro, nos m’eus te. Ai! com a palavra falada tenho gagueiras múltiplas, sou constrito, sou imperscrutável. Ai! mas com a palavra escrita sou m’eu te amo variável K, cresço, decresço, sou tua função em tua função. Invento um mundo piegas, engomo a tua cama com açúcar e pra não pisar descalço, me certifico de ter ao pé da cama meu tapete de yoga e um par de chinelos: sabe Deus o que sentirei quando você pisar e sentir frio: sabe Deus o que será de mim se a culpa ter sido minha. Mas com a palavra escrita eu retomo o discurso e floreio com gérberas e crisântemos o m’eu cuido de ti e você de mim, pois é sabido que nosso amor é concordância ideológica: tu falas, nós escrevo.

Mais que os artrópodes


"Duro de forte, o amor feinho é magro, doido por sexo
e filhos tem os quantos haja.Tudo que não fala, faz."
(adélia prado - amor feinho)


O meu amor é macérrimo e doido por sexo.
Carrega rosário nos domingos,
nos outros dias
faz a via crucis do meu corpo.

Não entrou na minha vida
arrombando portas,
tampouco pediu permissão.
Foi enrodilhando corpo
feito minhoca

corpo e terra
corpo e terra
corpo e terra

quando se percebeu
já estava com as raízes.

Estranho é pôr os sonhos sobre o mar ao invés do veio de rio próximo que você me assenta.

Os fora-da-lei

meu EU dedilha palavras,
corrompe parentescos
ao tentar liga
no teu sangue alheio.
e tudo em mim
confundido em ti
será impróprio em nós
e a seguir seremos
seqüestros
impiedades
contravenções.

Intento - II

Ser humano de rasgar-se
na incorporação,
de quase cuspir o santo
e resgatar a incoerência primitiva
do êxtase.
A dúvida agora é o princípio do molde e do gesto. O primeiro corte umbilical se deu quando? Partiu da idéia de separar-se da cria? É como atirar em alguém, há uma bala, há um revólver, há um gatilho, há uma vítima e há um assassino, dito, há um homicídio. Antes de tudo isso, há um outro antes que supostamente já teria assassinado e esse é o início. Penso em matar, já matei, engatilho, estouro, mato. E não há nada o que se entender ou julgar. Escrever é tão primitivo quanto a própria idéia de primitivo, que talvez seja tão recente quanto Cristo. E foi Deus quem disse: sois primitivos, chimpanzés, ainda está na fôrma os verdadeiros humanos. Assim aceitaram e assim continuaram vivendo primitivamente. Depois disso vieram pomposos e evoluídos e humanos trucidar os chimpanzés porque neles não se reconheciam.

Intento

Dei ao desejo um pedaço de fita negra
e fiz feitiço na festa de santo.
Diziam-me:
teu corpo é Rei, dança...
lança pedra no fundo do poço,
liba a terra com pinga,
acende charuto,
pede benção
e sê terreno
que é de corpo
que Deus vive.

Hilda Hilst - SONETOS QUE NÃO SÃO

1

Aflição de ser eu e não outra.
Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
e à noite se prepara e se advinha
Objeto de amor, atenta e bela.
Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha).
Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel
Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra.
-blog em recesso-

Adélia Prado

Sensorial

Obturação, é da amarela que eu ponho.
Pimenta e cravo,
mastigo à boca nua e me regalo.
Amor, tem que falar meu bem,
me dar caixa de música de presente,
conhecer vários tons para uma palavra só.
Espírito, se for de Deus, eu adoro,
se for de homem, eu testo
com meus seis instrumentos.
Fico gostando ou perdôo.
Procuro sol, porque sou bicho de corpo.
Sombra terei depois, a mais fria.

- blog em recesso -

Sandra Heck

I

Noto
mas não anoto
por isso me esfolo
choro
Noto
mas não anoto

Anotaria
se quisesse terminar
fatos e atos
pra superar,
não quero findar
quero dúvidas pra continuar

Anotaria
se pudesse parar.

*Sandra Heck é uma poetisa da cidade de Blumenau - SC.
**Poema retirado do livro Blumenália Poética 2

-blog em recesso-

Hilda Hilst - Do Desejo - Poema I


Porque há desejo em mim, é tudo cintilância.
Antes, o cotidiano era um pensar alturas
Buscando Aquele Outro decantado
Surdo à minha humana ladradura.
Visgo e suor, pois nunca se faziam.
Hoje, de carne e osso, laborioso, lascivo
Tomas-me o corpo. E que descanso me dás
Depois das lidas. Sonhei penhascos
Quando havia o jardim aqui ao lado.
Pensei subidas onde não havia rastros.
Extasiada, fodo contigo
Ao invés de ganir diante do Nada.


- blog em recesso -

Vacalharia

Estamos todos em recesso? ou vazios de algo? Me exauriram as peles e foi tudo "vacalharia" grotesca. Vontade mesmo é o de ser regional, contar causos, mas ouvir mais.

Cumpadres discutiam a existência do Diabo e Atanázio com toda sua crença, disse que se Ele aparecesse se borrava nas calças ou caía duro no chão. Passados dias, na escuridão regional do Campo Belo, Atanázio já bem acomodado na sua casa foi surpreendido por batidas na porta:

- Quem é?
-Sou eu.
-Eu quem?
-Aquele, que você tem medo!

Por inocência ou gratidão ao que acreditava, pôs-se num desespero que nem a cruz poderia conter.

-Pois me apareceu o maldito e se apresentou como Aquele, que você tem medo, vestido de capa preta; saía até fogo da goela. Agora que eu acredito.
-Capaz, homem, é coisa da tua cabeça. (rindo)

Mal sabia ele que era "vacalharia" do seu cumpadre. Dias depois, Atanázio numa ânsia de proteger seus bens disse:

-Nas minhas latas de mel, ninguém toca, só quando a morte bater na minha porta.

O cumpadre, novamente para exemplar, vestiu-se de morte.

- Quem é?
-Sou aquele de que você tem medo?
(pausa - Atanázio enfraqueceu, mas pensou, a segunda vez é demais!).
-Mas seu nome?
-Eu sou a morte e vim buscar tuas latas de mel.

Aprendida a lição, hora de roubar o mel.

- blog em recesso -

A partir de amanhã, começarei a publicar literatura e arte de outros autores. Estou querendo pôr nisto o que os outros falam de mim, que é uma outra forma de falar de si sem que te conheçam de perto. Assim, esperem muitos textos de Cecília Meirelles, Clarice Lispector, Hilda Hilst e outros, talvez desconhecidos.

Sei quando parto, só não sei quando volto

Uma breve pausa entre um poema e outro e eu e todo o meu passado que não serve pra nada. Quando voltar, quero surpresa e ouvir que estou mudado.

- blog em recesso -

Aforismos

Por muitas vezes
abracei aquilo que desejei
que estivesse morto;
beijei suas faces com lábios
imersos em raiva;
- pura covardia -.
Acreditamos que devemos nos beatificar,
tirar as impurezas que nos acometem...
não seja tão estúpido,
o amor não pode ser comprometido pela compaixão.

Epigrama nº9

Venera a existência daquilo que te compromete
porque estamos nesse eterno dilema de amar o que nos mata.

I returned again – Parte V


Por último, comprei um blusão roxo berinjela e um tênis de couro para ir contra o que eu havia estabelecido há dias atrás. Depois, como se nada tivesse acontecido, estava pondo a casa dentro do carro; em menos de cinco horas estava de volta.

Dos sentimentais desencontros



Pudera ter feito diferente:
armado arapucas, arrebentado fios,
assassinado coelhos
na frente da sua casa
ou ter repetido culpas pelos desencontros
óbvios depois do sexo?

- Não.



Poemas Curtos (Completo)




No ato de normalizar as coisas
perdi o senso de justiça.
Não que me fosse preciso
julgá-las impróprias,
mas sim, a falta de sentir na fala
a resoluta ardência de quem
diz que isto é Isto.

\
Vi deitar do céu, silenciosamente,
e logo se estender sobre o chão,
as nuvens que pairaram sobre o dia.

\
Intercalo i s t o de puro silêncio
enquanto for noite
e o indistinguível branco
perdurar em descanso
sobre a paisagem.
Eu, menino, pisei descalço o branco noturno...

\

Eu, menino, pisei descalço o branco noturno
e tolhido de dizer que sentia frio,
emudeci...

\
Desconsidero a vida naquilo que não grita,
porque cumula a morte sobre a língua
ou engole e lhe envolve
de maior silêncio.
Como uma porta que não range
é perdida de sentido,
a que range
é teoria cinéfila de horror.

\

Depois de tanto silêncio,
é natural que queira do estilhaço
o momento da quebra.

\

Sim,
a resposta será continua
e esgarçada até que se invalide
por decisão própria ou que por ventura
desabe o mundo.
Percorrendo-se o tempo,
o grito muda de tom, ora abafa, ora ufana,
mas o que lhe impinge
é a mesma dor de ontem.

\

Espere,
que meu coração é feito de matéria estranha:
nem ardido nem brando no sol da meia-noite;
aquele que se poria, não se pôs ainda:
sol antropofágico de Tarsila:
re-devoro-me
nos pequenos versos.

\

Falo isto como se ordenasse à alma
severa obediência a mim
e parece que da próxima vez que abrir a boca,
estarei no alto, nas asas de algum abutre
e como as nuvens, me deitarei em chamas
resoluto no meu direito de arder.


 

Vá lá


Vá lá
que a vida é isso aí.
Num dia se leva paulada
noutro,
lava roupa, cozinha,
arruma a casa,
dá um beijo no marido;
e vem os filhos e estão com fome;
e vem o frio anunciando o inverno
as toucas, os cachecóis, os blusões de lã,
meias grossas, pantufas estranhas
são postos no sol para tirar aquele cheiro entranhado de naftalina;
levanta-se cedo, noutro um pouco mais tarde;
há geada sobre as plantas, algumas delas não resistiram.
Às vezes alguém que sofre não é por opção
nem por destino e nesse destino inclua-se genética e afins,
é por outra coisa que ninguém sabe,
é melancolia aguda
e para essas coisas
vá lá, que a vida é isso aí
e não há mistério nisso.

Esqueça a modernidade:
o contemporâneo é orgânico.

Não é preciso que se forjem chegadas e partidas,
nem que se coloque o homem dentro
de máquinas de aço e se precipite o processo:
das mãos surgirá naturalmente
o ser instintivo, àquele,
que de pré-histórico se resignou.
___________________________________

Poema também publicado no blog de Sylvia Beirute. Sylvia, muito obrigado pelo gesto.



Na barca dos amantes

Na barca dos amantes
todos chegam atrasados
com pressa de partir.
Por isso navegam disparates
e condenam-se
por erros que nunca existiram
senão porque os queriam.
Para estes apressados,
torço que se afoguem antes
de atracarem num porto seguro.
Pois do meu amor
quero a paciência de remar distâncias
e a eternidade possível
que se pode conter entre as mãos.

Quando entendia sua fome



põe aspereza sobre meu corpo; põe lixa.
põe também cacos, facas e espinhos.
põe sua fome e me enterre os dentes
que na boca exaltarei meu regalo.

variável

põe aspereza sobre meu corpo; põe lixa.
põe também cacos, facas e espinhos.
põe sua fome e me coma como antes
que exaustos, estatelávamos a boca em regalo.

variável

prefiro que salpique sal com pimenta
do que me destempere.
-bom é quando lhe colocam com fome no prato.


Puxe para baixo


“Puxe para baixo
Puxe para cima
O que lhe servir,
traga para dentro.
O que restar
jogue para fora.”

Após algum tempo de trabalho termino mais um livro de poemas chamado puxe para baixo, faltam muitos ajustes e também muito empenho na elaboração das ilustrações. Deixo aqui o prólogo e espero que em breve esteja publicando.

Abraço e milhões de agradecimentos àqueles que visitam o blog e principalmente aos meu amigos.




Prólogo


Trafegam nas ruas os mais diversificados meios de transporte. Pelo computador nos comunicamos e temos acesso às mais variadas formas de conhecimento. Visitamos teatros, cinemas, exposições, igrejas e terreiros de candomblé - acreditamos nos comunicar com espíritos-; construímos as mais incríveis obras de engenharia e mecânica; escutamos o popstar do momento e alguns até desbravam o universo numa nave espacial qualquer. Mas no fim continuamos não conseguindo nos localizar e saber pelo que estamos lutando, pois de tudo, o que sobra é o homem, que viaja entre o céu e a terra buscando o contato com a alma através do sonho, mas por ter corpo, restringe-se.

Puxe para baixo faz insurgir de suas páginas esse personagem absurdo, mas completamente possível, perambulando numa busca de extremos, saciando fomes efêmeras e querendo que fossem eternas; desejando e repelindo, crendo e descrendo numa destreza incrível, pois busca entender o porquê desse desajuste entre corpo, consciência e alma.

As obrigações entre dois

Porque não corresponde eu estranho.
Para que veja
desconfiguro o rosto com trejeitos
enfio as mãos nos bolsos
assento-me
Alienação poética
ou
Procure outro escritor

Trabalho em cima de afirmações
e deixo o futuro para depois
como tudo aquilo que não me significa.

Com uma enxada numa das mãos,
colho o que me pertence
e deixo passar o resto:
faço da terra meu único espaço;
nela nunca planto ou fecundo nada,
apenas desperto se houver o que despertar:
às vezes estão todos surdos e não imploro que me ouçam,
é uma questão de desencontro.

a minha poesia só entende mais com mais,
mais com menos ou vice-versa é desencontro.


Sobre as asas do abutre

Não cubra tuas mãos
com esse inquieto som
que das páginas vem.
É possível que te tornes louco
ou relativamente efusivo
e acabe por colocar teu filho
sobre as asas de algum abutre,
afim de que ele aprenda a sonhar
com o corpo todo.

As obrigações entre dois

Porque não corresponde eu estranho.
Para que veja
desconfiguro o rosto com trejeitos,
enfio as mãos nos bolsos
assento-me

Porque respondo, você estranha e
eu lhe imponho:
Reconfigure-se com um sorriso
tire suas mãos do bolso
que eu as beijarei.

epigrama 6

epigrama  6

Continuo tentando respirar debaixo d’água;
abrir os olhos no mar salgado sem que os arda;
inspirar cianeto sem que eu morra.

deve haver um jeito
de excluir da boca
a palavra impossível.

Diário de Bordo*

Antes dos vinte anos as coisas eram melhores:
facas cerimoniais picavam dedos de bruxas
num chamamento ao demônio.

Havia alegria:
saía sempre com os bolsos
cheios de grilos.

Mas o que provêm depois dos vinte,
dos vinte anos e um dia, é o banimento;
aos poucos tudo vai sendo jogado fora
como se o paganismo tivesse sido revogado
e a nudez na dança, proibida.

O que sobra é a mecanicidade;
o quebra-cabeça;
a engrenagem seca;
a estranheza que causa vertigem.

Inculca sim que minha história seja velha

O palco é velho
O palco é inóspito
O palco é adulto
Os adultos parecem estranhos
e as enguias quando tiradas do mar,
desligam-se dos sonhos.

Monólogo

Depois de assistir aqueles desenhos japoneses em que a disciplina só é obtida através de rigidez e violência livre, sinto sempre uma necessidade incontrolável de levar uma boa surra pra ver se me enquadro, ou como dizem, vê se eu tomo prumo na vida.

Últimas cartas - III, IV

A seguir as duas últimas cartas escritas. Postarei ambas por dois motivos: estou sem internet em casa, o que dificulta manter o blog atualizado sempre; outro, é por revolta mesmo. A ilustração do post virá depois. Outra coisa, obrigado a todos que continuam visitando o |poemarte. Abraços, rafa. 
Carta III



Maturidade é saber lidar com as incertezas.

Carta IV

deve ter sido assim que Mário Quintana foi assassinado pela primeira vez e depois vezes e vezes.

Direito à mentira

Só estou tentando dar pernas longas as minhas mentiras
pra que possam burlar pontes
que se atravessam na frente.
Não quero verdades,
só quero na superfície
a alegria de quem apenas não sabe
e continua vivendo.

Derramencanto



- Derram encanto -

Por alinhavar esperas
rasguei minha partida
com símbolos mágicos.
Fiz pacto com incubus,
os filhos de Príapo,
e humanamente
fui surpreendido num encanto.

- Derramen canto

Era encanto irisado de volúpia
sentido no sexo do incubus
névoa composta
feito filme de terror.
Cada vez que
insurgido e estridente que
meu canto se abria,
era retorno às coisas terrestres.

- Derram en canto -

en entre,
justa a palavra entre
significado estrito
de entreposto, meio
:
depois de ter sido humano
não se pertence nem
a Terra e nem ao transcendente
é-se puro en meio.

- Derrame ncanto -

Ritualizo
Falo de ladainhas metafísicas
porque teu resto ficou em mim.
Encostado,
evoco-te no próximo espírito
e tudo segue e tudo volta
nada além, nada aquém
simples derrame, simples humano,
simples sentimento que não se esvai.

vício

Adquiri o hábito de tirar lascas das caixas de fósforo e chupá-las depois, nem tem gosto, mas tem textura melhor que a da goma de mascar, e dá maior liberdade à língua e aos dentes. E só troco quando vai se desmanchando em outras pequenas lascas e paro quando satisfeito.

Troquei um vício por um, aparentemente inócuo: não sei viver sem concretizar o tempo ocioso em matéria visível.

Choro

A dor é insuportável
até que chegue aos olhos
e exploda em lágrimas.
Choro não é descontrole
fraqueza ou vitimização.
Choro é desabafo;
uma hora você se enternece
e volta a sonhar sem os ufanismos
de outrora.


itinerário



Sou corajoso, corajoso, corajoso, repito isso para ver se corroboro na minha mente a força que preciso restituir o mais rápido possível antes que venha fenecer. Nos últimos tempos, fui alvo da vida conturbada que só quem cresce pode ser atingido. Não é porque comi do que não deveria, aliás, é também por isso, mas são milhões de esperanças que se tornam desfeitas num estalo.

Talvez porque faça de cada sonho um deus, mas saiba que cada deus eu travesti de ideais puramente humanos e interpelo por alguém que me diga que ainda é possível seguir depois de tantas lutas. Disseram-me para ter calma que são infinitas as possibilidades. Mas até quando o infinito, teimosamente, reservar-se-á a me dar uma única possibilidade? 

Foi o amor que por itinerário, não vingou; os amigos que mais me compreendiam, partiram; tudo por culpa de itinerários. Uns disseram, hoje não dá porque viajo, passei no vestibular e estou de mudança. O problema é que todos mudam de cidade ou personalidade mesmo, só eu que permaneço tão oco e triste quanto antes.

Tenho pena das mães, somos os únicos animais que não sabemos lidar com as percas, os outros ensinam o ofício e abandonam suas crias e seguem em ordem, mas nós humanos, somos desraigados e o que fica é a miserável saudade, a impotência.
Carta II
Meu caro,

Não sou tão rude e vil quanto imagina. Também, nem tão avoado no mundo que criei. É certo que muitas vezes o subjetivo se confundiu nas atitudes que adotei, mas veja, foram mínimas. Cada ser possui gatilhos de sobrevivência e age em cima deles, e você diria que isso não justifica nada no convívio social.

Beijo,

Rafa.
Carta I
Tentando explicar é que me confundo. Talvez me direcione tortuosamente e será sempre assim até o momento em que, decididamente, eu fique mudo para não criar padrões equívocos na sua cabeça: sinal de respeito às suas regras. Então me ajoelho.

Comecei a ler mesmo com doze anos, disse, vou dar uma chance aos livros e ver o que eles têm a dizer, desde então eu consumo livros para me salvar, porque cada frase, verso que me identifico é semelhante levar uma machadada na cabeça, só não se sangra, do resto, sente-se a dor e um apelo da humanidade visionando um resgate. Fecho o livro por uns minutos e imagino uma saída para superar e continuar a leitura.

Como The dreamers do cineasta Bernardo Betolucci, fiz dos livros a cinefilia dos seus personagens que confundiram a tela ao ponto de não saberem seu papel fundamental no cotidiano, absorveram outros personagens e viveram numa mistura de atos e tragédias.

Prêmio Blog de Ouro

Fiquei lisonjeado ao receber o Selo Prêmio Blog de Ouro de Paulo Sérgio Zerbato, do Blog
A Arte de Paulo Sérgio Zerbato. Agradeço a ti e a todos que lêem o blog . poe M arte ., afinal, é feito para vocês.

Perguntas e respostas:

1) Por que acho que mereci o prêmio?

Pela minha dedicação ao blog.

2) Na minha opinião, qual postagem do blog é o que mais merece receber este selo?

As postagens referentes à série Derrames, pois percebi que muitos leitores se identificavam com a linguagem poética.  Como disse Paulo Vítor Cruz: Derrames foi uma boa viagem... daquelas que não dá vontade de retornar...

3) Do blog que me indicou, o que mais me agrada? Ele mereceu este prêmio?

Sem dúvida que o blog do Paulo Sérgio Zerbato mereceu o recebimentos deste, porque a sua arte é construída a partir de algo que simpatizo e tento fazer neste blog, aliar as artes Visuais à linguagem escrita, literária, poética; Paulo Zerbarto, expõe aos seus leitores os processo de criação, dos aforismo literários, constrói uma arte contemporânea engajada às necessidades tanto subjetivas quanto objetivas do ser humano.  

Os blogs que indico:

  1. Frutos podres de uma imaginação febril – Paulo Vítor Cruz
  2. Vocàbulah – Ramon de Alencar
  3. Cabo da Boa Tormenta – Pedro Ludgero
  4. ET CETERA – Et Cetera
  5. 1, artigo indefinido - ccauan
  6. Mon Bateau – Lívia
  7. Entre o que há – Resiliência
  8. Com dizer – Thalita Castello Branco
  9. CAOS DE INVERNO – Gérson de Oliveira
  10. Lavoura de fumo – LRP


Abraços,

Rafael Costa ; )

Re-originando as espécies

Deveria emergir Hefasto*
para pôr fogo nas montanhas,
erigir nuvens tóxicas;

salvaguardando as águas, sobre elas e acima,
veja-se o pó.

- Saberá o platelminto que Darwin já lhe impôs uma tarefa?

*Hefaísto

Derrames (Edição completa)

Derrames

Se soubesse que te traio pelo cheiro
e pelo nariz vou sentido peles estranhas
mesclando-as ao meu faro
consumindo-as num contato lépido e displicente
forma de vazar meu desejo pelos outros
sem que o note.
porque meu desejo é sempre mais que um
e o meu amor aspira compreender
a totalidade dos homens.

- um -

Mil atrevimentos me corrompem a boca.
Corrompida,
planto sarceiros
discuto com vizinhos
assisto ao futebol
fumo carteiras de cigarros
tomo uma cervejinha
mas, se mesmo assim perder
vou para o tira-teima
apelo com outras armas
troco escopetas
por empates de beijos.

- dois -

Se não te mato de vez
com um só disparo
é por covardia cotidiana.
Matar aos poucos é menos injusto comigo
menos temerário e me justifica
e não me força arrependimentos
quando te morreres de vez.
quando te morreres de vez
fraqueza última e virgem

saiba, que te matei sempre
mas a decisão sempre foi sua.

- três -

A partir do terceiro passo
já é rotina
a partir da segunda garfada
o gosto familiar
e o que acomete esse poema é sua ausência
misto de saudade, carência e colheres de piegas
angústia de instante
derrame
e no fim do quarto passo
já é tudo mentira
me contento ou me adapto:
quem ama nunca perde.

- quatro -

Depois de ti,
perdi o jeito pro sexo
mordidas equívocas
penetrações incômodas

das sobras:
a disritmia do verso

porque antes segurávamos
a beleza do mundo sobre nossos púbis
e amar se descrevia como nuvens de pêlos

estrelas cadentes, abstrações sentidas
que hoje se descartaram.
Por lembrança te culpo
que não fodo como antes,
sendo angústia
ainda te espero com sensações velhas.

- cinco -

Dessa vez
quero ser o que parte
e não o que espera,
é o transeunte aqui
vestido de mágoas
malfadando a sua sorte
sobre um pequeno
derramencanto

Derrames IV



Mil atrevimentos me corrompem a boca.
Corrompida,
planto sarceiros
discuto com vizinhos
assisto ao futebol
fumo carteiras de cigarros
tomo uma cervejinha
mas, se mesmo assim perder
vou para o tira-teima


apelo com outras armas:
  -troco escopetas por empates de beijos 

A Pedro Ludgero e seu livro Sonetos para-infantis – Agradecimento.

Depois de um longo dia sem fazer nada (sigo a filosofia do nadismo), chega por correio um malote de Portugal contendo um livro chamado, Sonetos para-infantis de Pedro Ludgero, editora Incomunidade, 2010.
Aqui vai meu agradecimento pelo esforço e gentileza em me remeter esta obra poética, repleta de descobertas e invenções. Sinto-me honrado, semelhante a uma criança que recebe alguma medalha e a estampa por aí, e com todo direito, afinal, o livro viajou muito para estar nas minhas mãos. Pedro Ludgero, um abraço atlântico,

Rafael Costa.

Rafael Geremias