meia consciência.

Não fico no alto é anti-natural moro com os pés tocando no chão
e me assusto
quando me ponho pra fora e compreendo abismos
de vidro e aço.
Não pretendo criar asas para voar
do contrário,
cresço unhas rasgando terras
arranhando céus

-de baixo germino vermes
 de cima despenco anjos

Poema Imagem II e Poema - Causa estranha


Causa estranha

Vontade de te por na cama
arriscar encaixe de corpo
acostumar-me a ele
feito forma díspare e refratada em
superfície aquática
porque tu é minha causa estranha
e vem de longe essa minha vontade
de nem te ter através de beijos ou marturbações
de nem te ter avassaladoramente e nem romanceada

Vontade de te por na cama
tentando um amor eterno.

________________________________________________


De A Infinita Mentira do Ser


Estou bastante feliz, participei do concurso de fotografia da UDESC, e ganhei menção honrosa na modalidade colorida com a foto aí de cima, já postei ela aqui no blog no último dia de 2008. Agora é esperar a próxima edição e almejar os primeiros lugares. ;)

História Poética I























O poema a seguir faz parte de um projeto de livro, ainda inconcluso, de história poética. A moça de cima (abaixo) se chama Marina. Vamos lá.

Marina, a concubina


No fremir do aço
o tempo rui à surdina.
No vergar do osso
a flexibilidade de Marina.
Às sete da manhã acorda, sem endosso
estica seus músculos, a menina,
busca a gélida água no poço
banha-se, então, ferina.
No fremir das asas
Marina deixa sua casa,
no caminho sinuoso
pé ante pé, pisa num mundo falacioso.

Fernando, o pierrô

A capa ao chão farfalhando
lá vai Fernando, o pierrô italiano.
Tem-se em vestes ingênuas
eclipsando suas luxúrias,
carregando seus sonhos pelas ruas.
Ri-se e faz-se alegre no caminho
transeunte, em busca do moinho.
A capa a estrada farfalhando
aos reis pedestres encenando
o Insano-Fernando,
literalmente amando.

Moinho, fica no caminho

Fora desativado a moagem do grão
cedera espaço aos atos heróicos da paixão.
Ansiara por ventania, chegara a concubina.
Pierrô atrasado, ela logo não se conteria;
-sabe quem ama da fugacidade do tempo -.
Então, adentra Fernando e busca Marina,
em devoção sibilante,
numa destreza abstratamente
amante.

Mudança

Este é um daqueles poemas  em que me exponho ao máximo; aquele no qual nos colocamos do avesso e o marcamos com toda nossa essência e um pouco de ideologias que só são verdadeiras a nível subjetivo. Este poema feito no primeiro semestre de 2008 continua tendo uma relevância extraordinária para mim.
Mudança


Que me importa que não saibamos cantar em inglês?
Que já são dez horas e está na hora de dormir,
porque a manhã espreita raiar?
Vinde. Estarei preparado.
Saberei guerrear.
Mas só hoje me permitirei sonhar;
bailarei a noite toda e de minha boca
verão proferidas palavras de euforia
que nada mais são que gritos de agonia
sufocados.

Lembro-me agora
das vezes em que me alfinetaram,
pequenos furinhos e arranhões;
nada pude fazer
senão suportar, abafar porque homens não choro;
e não chorava até então.

Porque hoje é o dia,
Dia L, L de freedom
que não nos interessa traduzir;
se insistires, não procures num
dicionário, dou-te este sinônimo que
assim nos cabe melhor:
-I love you.
Pois, que essa é a liberdade.

Então cantarei I love you,
posto que num ritmo adequado,
para todas essas canções que a gente não
entende, advindas daqueles estrangeiros.
Coisa fina.

Que não se esqueça do Milton,
do Miltinho,do Bitu, e tantos outros mais,
que é coisa muito mais fina ainda,
música de alma e que a gente
pode cantar, dançar por dentro, pois, que é o melhor.

E já não sobrepujaremos uma forçada língua estrangeira,
já poderemos dizer eu amo você, que é como
o povo se conversa.

Perpassa como um fio, um lalala
que rima com tatata e é tão bonito.
Pudera eu fixar-me nesse poema,
que abriga como coração quente de amante,
com chá de hortelã, frescorzinho lânguido que escorrega
por essa garganta rouca, louca, frouxa.

Enquanto escrevo, crio
Uma casinha bem aqui, de madeira.
Um chalé, com chaminé e forno à lenha,
Uau! pizza de quatro queijos,
com borda torrada e vinho do porto
dulcíssimo.
Uma luazinha árcade garrada nesse teto de cerâmica.
Agora só faltam as pessoas,
Opa, já estou avistando, elas vêm em gôndolas
e trazem frutas tocadas de afagos,
violas com ar de pé-de-moleque;
unidas trazem consigo, sobrevoando-os,
o poema que busquei do Quintana
durante essa longa noite e não o encontrei,
que na certa alçou vôo para trazê-las, as pessoas,
até mim.
Isso enternece meu corpo.

Sentamo-nos à mesa, é pedir demais uma madrugada
onde o tempo não transcorra como de hábito?
Nem que depois apresse
para acompanhar essa ampulheta de sabão em pó.
Preciso de instantes estáticos, apenas fotos seqüenciais
não bastam, eu quero é fixá-los é na memória, como
cicatrizes.

Nisso tudo me prenderei de mudança, assim como vos contei,
sem nem vírgulas, nem pontos, nem letras a mais.

Saibam que assim será meu descanso;
que tarde em chegar para que muitos poemas prendam-vos
o alento, pois que é meu dever ainda inconcluso,
urdi-vos nessa trama de lã que vos favorece no inverno.

Saibam que nisso tudo descansarei,
e se se adia o repouso abstenho-me da culpa, porque
é a campa que se fecha a passos lentos.

Sem que notasse, contei-vos meu último poema,
li-vos o que está inscrito na minha lápide.
Isso me assusta, essa capacidade mórbida e lúgubre
que preservo em selar um poema, assim morrendo,
degenerando-me, como se houvesse redenção em ser
carcomido num jazigo cimentado.

E que isto que se seguiu é uma arma, cuja, dispara
neste verso que lereis:
paa..

(eco)

Ouvirei o disparo à distância, e o fino ruído do projétil
afiando-se na resistência do ar,
buscando-me além dos percalços,
onde me escondi depois que escrevi isso.

Rafael Geremias