Teu

T e u

Tomei tua boca, tua língua
teus lábios.

Tomei teus dedos e quis
que adormecessem entranhados nos meus cabelos.

Quis também, que tu me masturbasse
e me fizesse gozar.

Tomei teu corpo e o expus,
tu me deste teu espírito e eu o prendi.

Interjeição

Ih


Onomatopéia de espanto
Susto
Grito sustido nos dentes
Versos de efeito
Código de morte
Ávida fome de assombração
Velado gemido
Enrustido arrepio trespassado pelo meio das pernas
Desejo de palavra
Desejo repetido de palavra
Fome de corpo na palavra
Fome do ausente na palavra
Fome de graça
pois que cada palavra é
súplica
tréplica
pois que cada palavra é
réplica divina.
______________________________

Quero agradecer a todos que visitam meu blog em especial à Thalita Carvalho do blog Quarto Índigo, que me indicou como sendo um blog amigo. É justamente pelo carinho de vocês, pelos comentários de admiração e a simples "passadinha" de vocês que me estimula e faz crer que estou no caminho certo.

Beijos e Abraços

Rafa ; )

Identidade

Identidade


I

Meu nome foi se fazendo antes de anteontem
e antes de anteontem já era o hoje o parto silabado
de vórtices vociferados de vulgares verdades.

- nascia uma proposição.

Meu nome foi se fazendo ontem
e antes de anteontem já se havia passado
eras e eras de improfícuo espanto
nas asas daquilo que chamariam de avião.

- máquina lampejada de turbinas fluorescentes rasgando céus
que hoje lhe conferem características poéticas de liberdade.

Meu nome foi se fazendo ontem
e antes de ontem já vislumbrava
em pequenas refrações uma possível identidade
saboreada de pluma púmblea prosada de pranto
provada e tendendo ao encanto.

II

Me parti em mistério
metade corpo
metade sonho
na metade da metade
era espanto
na outra metade
já nem era tanto.

III

Que seja o terceiro
antes de vir o quarto
que preceda o quinto
e no quinto se complete
sem mais fomes
nem loquazes provações
de identidade.

IV

Aquele que se expõe
carregando no corpo
vontades que já nascem mortas,
mas que antes mortas
que nunca expostas.

V

Me parti em mistério
metade corpo
metade sonho
na metade da metade
era espanto
na outra metade
já nem era tanto.

____________________________

Confira também o artigo: Poesia e Imagem, o qual relaciona a poesia com publicidade.

Um pouquinho além


Um pouquinho além

Um pouquinho além
já seria muito além
como transpor a distância incauta
ou o fim da sempre sabida.

Um pouquinho além
já lhe daria direito
ao reinvento.

Faria do plácido feito
um eterno desespero
do segundo encontro
idas de retorno
do último beijo
o aceno de longe
e do próximo passo
a decisão:

-Viver é sempre um risco
evitá-lo é tolice.

Camisa de Força

O que me tem acometido culpa
é essa cópula contundente
com fresco marejo matinal;
lençóis puídos por barbas a fazer.
Ah, insanidade homeopática,
retesa meus músculos
irriga-os com pequeninas gotas,
letra por letra,
folha por folha,
e a cura paraninfa
se fará presente.
___________________________
do livro - Clique, ato, poema...
Rafael Costa

Epigrama nº 04



Não tenho problemas em usar salmos da Bíblia
nem se fosse o Alcorão, o Gitã, o giro Sufi
ou o Kama Sutra
Porque se for para te amar
Amar-te-ei sem credo.

Rafael Geremias