Não sei do futuro e nem do passado, ter conhecimento disso é estar em pleno movimento e o agora é uma ociosidade sem fim.

8 comentários:

  1. ...
    -O futuro não existe, e passado deixou de existir. Quanto o Agora, bem, acabou de passar, e agora? também...

    Mas ter consciência disso não basta para estar em movimento. Já a ociosidade, bem, esta pode ser bastante movimentada...

    ResponderExcluir
  2. O agora por tão movimentado nos permite momentos de arrebatamentos e você para, e espera.

    ResponderExcluir
  3. muita consciência do ser-estar.

    um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Talvez eu esteja na mesma.

    Boa tarde :*

    ResponderExcluir
  5. Qual é a receita para fazer do movimento algo ocioso? Tô precisando :)

    ResponderExcluir
  6. oh sim, a náusea...
    Saco plástico?

    Esse saber reflete um não saber colossal, hediondo, eu diria.
    Mas Denis é quem tem o hábito de utilizar-se bem das palavras, eu mesmo gosto das palavras singelamente simples, lindamente cuspidas pelo esôfago.

    Lindíssima a foto com os plasticantes humanos coloridos.

    :)

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigado.ÀS vezes a perspicácia engana nossa visão,o enganar é enganar-se com o tempo,essa ociosidade que exala uma essência estagnada é extremamente sentida como uma musicalidade hipocondríaca,como diria Augusto dos Anjos,"profundissimamente hipocondríaco/esse abiênte me causa repugnância".Essa mesmice(o eterno retorno)que faz caras como vc ter essa forma de exteriorizar as coisa que estão dentro de você.

    cronologicamente limitado,
    os ponteiros jazem em uma sepultura singela no universo turvo da matefísica que, morreu de pressa, com uma ânsia de um tempo que nunca existiu.O tempo faz os putrefáticos seres humanos terem pressa de morrerem,energúmeno sejas tú,circunferência cronológica,teus ponteiros mutilam a minha existência,tu és o infortúnio da trigonometria!

    "muito obrigado pro ter lembrado do meu singelo comentário,dijulgue-em,que farei o mesmo,sem pretensões.até outra,valeu.

    ResponderExcluir
  8. essa coisa incognoscível é demasiado.Não saber o que se tem de exteriorizar é saber por meios enigmáticos,essas multiplicidades,enfim,tá assaz interessante,valeu,xau.

    ha,Augusto tem uma filosofia inexoravelmente singular,ele vai no mais sórdido e mórbido,criptas...agônico,enigmático(caracte´risticas de simbolista)para mostrar o que é inverossímil,essa farsa que o ser humano vive,essa "hipocrisia canmonizada"(temática trabalhada no blog).ok,falei de mais, esses argumentos poderão está equivocados,característica de liberdade:o erro.

    ResponderExcluir

Rafael Geremias