Uma nova palavra toma meu mundo


Minha voz não é das melhores, mas o que vale é a intenção

Sicromalíaco.
Não sei o que realmente significa,
mas sei,
e isso é como dogma,
que é alguma coisa trespassada de ausência;
um neologismo incompleto que na falta de referência
referencia-se a qualquer coisa,
a qualquer si mesmo,
uma busca inteligível
uma palavra muda que na não expressão
encerra imagens que se vá,
que se vá na fruição do pigmento desprendendo-se da madeira
que se vá como sinal de fax
e que no retorno continue sendo qualquer coisa
que na pronuncia suscite dúvidas, inconstâncias
e um punhado de pó de pólvora no clichê do
rastro de possível explosão.
Que depois se assente
e se recolha no silêncio da pós-possível-explosão
e que não sonhe mais, fazendo-se também cega,
incauta, incognoscível, mas não mais misteriosa.

Epigrama Sicromalíaco

Crio
a tênue capa que cabe melhor
às idéias que nem no sonho encontro.
Trajo-as porque assim ficam mais apresentáveis.
Um palco, uma tenda, um frasco de essência,
A palavra existe por si só
e se manifesta para se livrar da imagem,
porque esta, tem-na sufocado.


Não entenda, apenas
absorva.
Deixe que se esvaeça qualquer
traço, e o que é livre verterá do livro
e quando sentir,
estará mergulhado como Alice
numa poça de tinta.
Nade nela, pois o que é sábio e vivo
você encontrará lá.

9 comentários:

  1. Aaah, como eu gostei disso! Eu sempre fico acanhada de por alguma mídia no meu blog .-.
    Mas ah, gostei muito.

    Boa noite :*

    ResponderExcluir
  2. ...
    -A palavra também é uma imagem. E mais que se libertar desta, a palavra procura fugir de quem a fala. E estando escrita, ela vai além das grades do som.

    Tiveste uma epifania ela...

    ResponderExcluir
  3. ...
    -Correção, tiveste uma epifania dela.... a palavra.

    ResponderExcluir
  4. você é bom no que faz rapaz. e a sua voz? nem é feia. :)

    Como você coloca vídeos no blogger?

    ResponderExcluir
  5. nao pertenço ao seu mundo mas ambos temos direito a existir. bonito.

    ResponderExcluir
  6. Adorei isso! Pioneiro.
    Tô retribuindo a visita. Já passei por aqui algumas vezes, mas esquecia de comentar >/
    Obrigada.
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. rafinha lindo querido!
    beijos da Ana

    ResponderExcluir
  8. é,até pela temática do blog.Essência é uma coisa incognoscível.Essas incognitas são causa dessa indagação,pois até a solidão oculpa um vão,ela tem uma essência,é um fenómeno,ela existe independentemente do que eu sinto,pois,pra ser livre é preciso ser escravo:dependo da independência para ser escravo de minha liberdade.Esse paradoxo,essa dialética que faz vir à tona pensamentoas aparentemente obscuros.Enfim,é legal essa maneira de se desenvolver, esses blogs servem de mecanismo filosóficos,dialéticos,para promoverem ideias que são de bom proveiro.
    Vi nas víceras de um cadaver um feto
    será o aFETO da natureza inorganica,está que nós prepara para a morte.Morte,vosse alma nos aproxima da vida,tu és hipodondríaca.
    as células sométicas da vida.
    aquela ferida que não é uma objeção a vida.
    (desculpe-me a incoveniência de postar esse poema de minha autoria,afinal:"Subversivo é o ato, Subversão é o palco")

    ResponderExcluir
  9. é,até pela temática do blog.Essência é uma coisa incognoscível.Essas incognitas são causa dessa indagação,pois até a solidão oculpa um vão,ela tem uma essência,é um fenómeno,ela existe independentemente do que eu sinto,pois,pra ser livre é preciso ser escravo:dependo da independência para ser escravo de minha liberdade.Esse paradoxo,essa dialética que faz vir à tona pensamentoas aparentemente obscuros.Enfim,é legal essa maneira de se desenvolver, esses blogs servem de mecanismo filosóficos,dialéticos,para promoverem ideias que são de bom proveiro.

    Vi nas víceras de um cadaver um feto
    será o aFETO da natureza inorgânica,esta que nos aproxima da morte.Morte,vossa alma nos aproxima da vida,tu és hipodondríaca,
    as células somáticas da vida,
    aquela ferida que não é uma objeção a vida,
    (desculpe-me a incoveniência de postar esse poema de minha autoria,afinal:"Subversivo é o ato, Subversão é o palco")

    ResponderExcluir

Rafael Geremias