Arte Conceitual = Mente vazia, oficina do Diabo ou O conto da vovozinha



As palavras que se seguem, decorrem de uma repentina e fortuita parada na capacidade de pensar, um estado meditativo que se apossou da mente de nosso ilustre personagem Martinho, cujo, possibilitou-me de invadir sua mente enquanto esta permanecia no vácuo.

Antes, porém, temos que saber o conceito de vácuo; recorramos à física para isso. Vácuo, ausência total de matéria, no entanto pode ser entendido de diversas formas, pois o vácuo absoluto, que realmente é a ausência total de matéria é apenas teórico, existindo assim, a remota possibilidade de existir o vácuo absoluto em alguma galáxia. Dessas coisas de vácuo só entendo de garrafa térmica que mantém meu café quentinho; essas coisas de galáxias e perdições além me intrigam muitíssimo. Ademais, pensamento é matéria?

Levando-se em consideração que pensamentos são impulsos elétricos e que corrente elétrica é composta por elétrons que por sua vez possuem carga negativa e massa irrisória de alguma coisa elevada à outra alguma coisa, então, sim, pensamento é matéria, e que se somarmos veremos que realmente o papo de que de grão em grão a galinha enche o papo, é realmente verídico e irrefutável. Por que adoram nos inculcar com esses ditadinhos? Sempre tem alguém com esses postulados na ponta da língua ou na ponta da mesa que aproveitam o ensejo e despejam a conta para o azarado que se sentou à ponta.

Voltando ao Martinho após todas essas conclusões científicas.

Martinho, homem de coragem, boníssima pessoa e freguês da mesma padaria que freqüento aos sábados pela manhã, foi lá que o conheci. Homem mediano, esguio e com sobrancelhas delgadas sempre pede um pãozinho com ovo “estalado” na manteiga sem sal acompanhado de um café expresso, coisa de elite. Na verdade isso é tudo o que sei.

Na verdade o Martinho nunca existiu; também, nunca vai à padaria todos os sábados pela manhã, e nunca foi tomado por uma brusca estagnação de sua mente. Mas a proposta é boa, e este conto é arte puramente conceitual, onde a idéia inicial é relevantemente superior ao resultado obtido, e por isso precise de uma legenda, aqui vai:

Idéia do conto: E se repentinamente eu parasse de pensar, o que aconteceria?
Leitor, se repentinamente você parasse de pensar, para onde escoaria essas suas monstruosas dúvidas e lembranças?Ficariam guardadas em alguma parte de seu cérebro ou você permitiria que alguém te invadisse e te roubassem-nas?

Ah, esses Jovens Sindicalistas




Começo este conto porque já se faz urgente, porque as palavras insinuam fugir, porque inúmeros porquês surgem em simples aberturas de armários, gavetas e roupas entranhadas por naftalina. Partimos daqui.

Inverno de alguma data não muito precisa. Marta levanta-se com o corpo dolorido por ter dormido em posição fetal, mais cansada do que quando se deitou à noite anterior. Faz tempo que ela não sabe o que é ter um sono de verdadeiro relaxamento. Já na cozinha, Marta reacende seu cigarro que mantém escondido na gaveta de talheres, há dois anos que ela adquiriu este hábito de fumar meio à noite e meio de manhã. Toma um gole de guaraná que a esperta, e segue rotina.

Marta possuía apenas vinte e dois anos, fumava há dez; começou por que achava elegante àquelas mulheres de Hollywood que apareciam sempre nos filmes. Fez faculdade de música, e era muito bem sucedida financeiramente. Tocava na orquestra estadual. Não era casada e nem tinha filhos, sempre acreditou que não viera ao mundo para trazer mais gente, povo já tinha demais e o planeta não suportaria mais uma avalanche de novos humaninhos. Morava sozinha, sem nem ao menos um gato para fazer-lhe companhia, e sua vida não era insuportável por todas essas suas não personagens adquiridas pelo tempo, quem sabe isso tivesse algum papel secundário, todavia o que tornava sua vida uma merda era aquela monotonia monocromática que ela tinha que aturar pela manhã.

Então, existe um breve momento, breve, mas que perdura o tempo exato para que tu percebas que deves procurar um novo caminho, revolucionário em essência, que te leves para mundos desconhecidos, românticos, colorido de vermelho de boca de menina nova e sensual ou de vermelho vestido-para-matar e este momento acontece agora.

Marta abre a gaveta de seu guarda-roupa para pegar sua luva. O cheiro de naftalina, bafo de tempo morto conservado a formol, invade-a pela narina e a desestabiliza, por reflexo segura-se para não cair, porém, decide cair, solta em queda livre, pronta para se permitir existir. Momento impasse, passo ou me passa? Opta por passar.

Ela põe seu violão sobre as costas e abandona o violino, maldito instrumento que a conquistou pela estabilidade financeira em uma orquestra. Leva também algumas roupas, pouco dinheiro, iria ser artista de rua, viajar e viajar sem rumo certo, andarilho de praça mostrando o melhor que tem, pelo o mínimo que os transeuntes têm a oferecer, quem sabe um prato de comida, uma parada repentina para ouvir o que ela tinha para tocar e cantar, isso já seria maravilhoso, ter a atenção de alguém nesse mundo que tem pressa de tudo, e se morresse, já morreria feliz.

Tocava desesperadamente, romanticamente, pois estava farta de ser a menina comedida em suas emoções (as pessoas realmente não possuem espelho em casa), de ser guiada por essa arte ultrajante que é o realismo, que nos impele a crer apenas no palpável, no cimento e terra vermelha que é esse chão. Essa ciência que nos impõe certezas, postulados, axiomas e postulados, axiomas como deue piasamos. de omos, que merda,que que de tão coerente nos transborda com mais dúvidas, receios, espasmos musculares, e fortes enxaquecas, dessas dores tipo panela de pressão. Por que não basta existir apenas, pensava ela. Essa foi a segunda vez que foi esbofeteada.

Assim seguira por muitos dias, muitos, mas não suficientes para contabilizar um mês. Sim ela desistiu, jogou a toalha branca e foi cuidar dos ferimentos do marido que voltara da guerra. Não, ela não tinha marido, insisto em lembrar, e a família que antes lhe pertenceu, há muito tempo já havia se desgarrado, quando nova, ainda mais nova que agora, quando contra a vontade de todos fora estudar música.

Estudou música, violino, como já mencionei, se formou, não sem antes vagabundear como calouro, isto inclui festas, porres, beijos e sexo à vontade; noites arregaladas numa esquina rindo-se de qualquer coisa que passasse pela rua. Irá, o leitor, me perguntar o porquê de eu voltar nos tempos de faculdade de Marta se o conto já principia ao fim? A resposta é simples: alguns fatos só nos vêm à mente quando já estamos encerrando, tal qual quando abrimos a boca para dizer a alguém algo importantíssimo e acabamos por esquecer de mencionar, então, antes que me culpem por encobrir algo... lembrei, foi para mostrar esse sindicalismo utópico que Marta sempre sentira correr nas suas veias com tanto ardor, porém que coagula fácil e mata esses sonhos de revolução.

Foi assim com essa vida de moribunda que estava tentando levar, até estava aderindo bem, mas suas costas já doíam por culpa do banco de ripas em que ela se deitava todos os dias que decidiu voltar pra casa. Colchão box de mola, comida-fácil-abre-e-fecha, põe na água e está pronto, quentinha e até apetitosa. Arranjaria desculpas convenientes por seu afastamento no trabalho e estaria tudo solucionado.
Quem sabe uma próxima vez me adapte melhor? Vou limpar aquelas gavetas e pôr um sabonete de lavanda. Que bom pisar nesse tapetinho de liquidação home sweet home, até parece que tenho um lar?! Momento impasse: Passo ou me passa? Translado para dentro, agora sim, home sweet home.

Alento II



Os deveres se amontoam defronte a minha porta como crianças pedindo por atenção, são tantos e de tantas espécies matemáticas que a meu ver, suas resoluções devem estar nesse momento na galáxia mais próxima que a via Láctea faz divisa, se é que há divisas no infinito, logo, não há chances de encontro com o gabarito pelo menos em alguns milhões de anos-luz.

Existem vários momentos que tento fretar uma nave espacial, decolar, atravessar a atmosfera, viajar e viajar, todavia, também nesses vários momentos a exaustão intumesce meus músculos tornando-os tão flácidos e inapetentes que esmoreço por ali mesmo, - sou jovem, mas sem forças -, dispensar energia numa aventura errante é ato suicida.

Não me encorajo a ir à luta e transpor as galáxias como muitos fazem; invejo-os todos os dias. Como conseguem ser heróis do cotidiano? Como conseguem espichar logo pelas cinco da madrugada; comerem um pão molhado no café com leite e seguirem a diante resolvendo seus problemas e no fim do expediente chegam e ainda possuem a capacidade de beijarem seus cônjuges e seus filhos. Invejo-os porque não tenho em mim esse espírito que a vida imbuiu-lhes, um espírito “vai à luta homem”.

O espírito que a vida imbuiu-me é destes que já estão frágeis, moles, deve ter sido um espírito há muito usado por um daqueles heróis – por instantes uma idéia reencarnacionista passou-me como flash – seria eu um jovem herói de velho alento? Prefiro que seja assim, que eu seja um guerreiro pós-guerra, admitido novamente à vida com o único dever de contar sobre as suas vagas lembranças de algo que longinquamente viveu; recordações que viraram pó. Sedimentaram-se. E àqueles cálculos já não são mais problemas e eu não preciso martirizar-me por não fazê-los, meus deveres não são eles e isso me alivia tal como ficar nu em casa nos dias de temperatura elevada. Estou tão vivo dentro das minhas possibilidades.

Alento I




Escorrego a mão para pegar a cueca, visto-a, faço o mesmo com a calça, a camiseta, o moletom. Levanto-me às seis horas da manhã e ainda está noite, e o mais triste, nunca vejo o nascer do sol. Não dá tempo para abrir o blecaute que cobre toda a janela. O dia já raiou.

Tem granola no café da manhã, iogurte com granola, com suco e pão integral, tem também ricota com banana. Mastigo e penso que engulo carboidratos e proteínas, engulo biologia. Há tempo perdi o paladar para o sabor e adquiri o pudico hábito de devorar lentamente tabelas nutricionais, no mercado mesmo, não compro alimentos, compro informações.

Meto a chave e a giro.
Estou ansioso.
A porta range.
Estou me abrindo.
Estou abrindo o mundo.

Cuspo-me para um novo dia que raiou há alguns minutos atrás, e confesso que tenho abalos, tremo, tenho medo de toda essa extensão que se estende defronte a mim, porque me esfarela, porque estraçalha com o luxo dos véus que revestem este conto de fadas censurando-o às minhas crianças; perco meus ouvintes, os mesmo perdem sua grandeza, e eu sou remetido ao primeiro natal em que o bom velhinho se ausentaria definitivamente da minha vida. Esta foi a primeira vez que fui esbofeteado.

Estou caminhando, aliás, enquanto contava dos meus medos, já estava caminhando em direção aos deveres-cidadão. Proíbo minha mente, veto-a de pensar, mas é em vão, é um hábito que com raízes grossas fixou-se em mim e não me tem feito bem, tem me desgastado, pois me resta apenas dez por cento da visão. Estou caminhando e não consigo enxergar as ruas, as casas, os prédios. Sei onde estão porque fazem sombra sobre minhas sinapses e porque tenho um labrador como animal xamânico, o qual me guia e assegura minha mãe de que seu filho retorne a casa nos fins de tarde ainda vivo.

Já entardece e percebo que mais um dia se passou e que toda aquela ansiedade que me referi era pura esperança travestida, cuja se esvaece como o sol da tarde.

Meto a chave e a giro.
Estou exausto.
A porta range.
Estou me fechando.

Estou fechando o mundo.


Mochileiro





Algumas perguntas nunca deveriam ser feitas: Quem sou eu? Penso, logo existo? Ela era feliz? Esta última é a que me tem tomado o maior tempo, tomado minhas últimas palavras e meus corridos dias, como alguém consegue formular uma pergunta sem resposta? Por que me proponho nessa busca?

Calcei àquelas botas de borracha que meu pai usa para fechar o portão quando está chovendo, puxei da gaveta àqueles santinhos que todo mundo ganha da sua avó e botei o pé na estrada como muitos fazem quando colocam suas mochilas sobre as costas e seguem em uma lambreta insinuando-se aos outros como conquistadores do mundo ou possíveis homens que sacrificaram seu conforto para viverem uma aventura errante. Minha aventura é uma pergunta, uma resposta, um passado?

Voltando ao instante em que eu coloco o pé (direito) para fora da porta. O primeiro passo sempre é decisivo e também é o que se fixa em nossa pele como tatuagem, uma cicatriz conquistada numa batalha que um dia contará sua história a alguma moça ou rapaz que a veja desnuda. Assim fiz minha primeira de tantas escarificações, agarrei-me a mim mesmo e me marquei com dúvidas, dúvidas não do objetivo, porém da viagem. Qual era o roteiro, com uma foto, - sim, eu tinha uma foto, ela era tão linda, um sorriso encantador e olhos vivos de fome -, poderia pagar ao agente turístico uma passagem para a vida daquela mulher?

O agente, com seu terno habitual, olhou-me muito intrigado e como telefonista de telemarketing, “desculpe, mas nisso não posso te ajudar, tenho outros pacotes que incluem pernoite e um pacote de bolachas de leite em Fernando de Noronha. Senhor, tenha um bom dia.”. Ele deveria estar ganhando para isso, cada qual com suas pilhérias.

Continuei então a busca do passado da moça de olhos famintos, mesmo sem endereço certo, faz tanto tempo, a foto data de duas décadas e que ela está morta sendo que esta última informação não nos importa, o que nos importa é: ela era feliz? Talvez nos importe, quem saiba me vá até o cemitério mais próximo, e estou indo, assim de súbito, como uma laranja podre caindo do pé, fui de maduro. Alguém deve estar pensando, que mochileiro é esse que não sai de sua cidade e sequer dorme em albergue? Respondo-lhe, você me viu pôr alguma mochila sobre as costas? Não, botei as botas e trouxe comigo os santinhos e a foto da moça.

No cemitério, bate-me até um calafrio nos pêlos de lembrar isto, alguém consegue escrever no presente? Parece-me que escrever é lembrar de algo, é possível lembrar no futuro? Deixa pra lá. O zelador, muito simpático por sinal, perguntei-lhe se alguma vez já havia visto àquele rosto em uma das lápides, às vezes sou tão pedante, é lógico que ele afirmou que não e que se tivesse visto não se lembraria, todavia, que eu poderia olhar a ata e procurar pelo período que mais ou menos ela poderia ter vivido e passar o resto do dia buscando o rosto dela. Antes que me esqueça, também sabia o sobrenome dela, o qual, não cito para não incitar ninguém a vestir a minha luta em busca da jovem. Para surpresa minha, nada, nada de nomes, de datas coincidentes e nem de fotos nos túmulos, também, com tão poucas informações como poderia encontrá-la?

Um pequeno retrocesso.

Eu e minha sobrinha de nove anos, sentados na sala em plena quarta-feira à tarde, remexendo nos álbuns de família, cai como que por acaso a foto da moça e minha sobrinha me pergunta.

-Quem é ela?
-Nossa parente.
-Onde ela está?
-Não sei.
-Por quê?
-Ninguém fala dela, dizem que era uma errante e acabou morrendo.
-Ela era feliz?

Agora vejo que nunca parti para nenhuma busca, e que não houve nenhum pequeno retrocesso também, sempre estive aqui sentado junto da minha sobrinha. Como posso saber dessas coisas de felicidade, principalmente aquela que não cabe a mim, é como tentar invadir uma mente através das narinas, você já tentou? Nem sei se sou feliz, não sei o que é realmente felicidade, de todos os momentos de alegria que tive já foram soterrados por essa memória precária que temos, porém das tristezas, estas me lembro, estas ficam grudadas nos olhos que são os mesmo desde o momento em que se formaram no ventre da minha mãe, já os dentes, estes se trocaram e tornaram-se permanentes e os risos se foram com a dentição de leite. Seriam as bolachas de leite que hoje não as suporto?

-Tio, ela era feliz?
-Infelizmente não sei.

Dou-lhe um beijo em sua cabeça e a envolvo para compensar o pouco que sei.

Rafael Geremias