Atos de 2008 - Potifólio Fotográfico

Esta postagem é uma coleção de fotos tiradas por mim neste ano que se transcorreu; muitas já foram postadas para ilustrar meus textos, outras são inéditas.
Com elas encerro minhas postagens neste ano, que foi para mim repleto de conquistas, alegrias e obviamente tristezas, porque nem só de pão vive o homem.

Um ótimo Ano de 2009 para aqueles que lêem meu blog e toda a sorte para aqueles que já colocam suas pulseiras do Senhor do Bonfim no pulso e saltam na virada as sete benditas ondas da promessa.

Abraços e Beijos

Rafa






Literatura de Mulherzinha ou O que eu preciso lhe dizer

“Me desculpe por eu ser perfeito demais, por ser inteligente, simpático e esteticamente falando bem guarnecido.

Me perdoe também por ter um gosto refinado para as artes em geral, por gostar de gramática e filosofia.

Me perdoe por ser perfeito demais para você.”

Dedico isto aos admiradores tolos, aos mal-me-queres encontrados em algum momento, que por medo ou renuncia a si mesmos, negaram-me sua companhia por mais tempo com a mesma desculpa esfarrapada:

- Você é perfeito demais para mim!

Ok, literatura de mulherzinha, ou o que eu precisava lhe dizer.

The End com uma enorme vontade de soltar um grande foda-se para o mundo.
Não sei do futuro e nem do passado, ter conhecimento disso é estar em pleno movimento e o agora é uma ociosidade sem fim.

Uma nova palavra toma meu mundo


Minha voz não é das melhores, mas o que vale é a intenção

Sicromalíaco.
Não sei o que realmente significa,
mas sei,
e isso é como dogma,
que é alguma coisa trespassada de ausência;
um neologismo incompleto que na falta de referência
referencia-se a qualquer coisa,
a qualquer si mesmo,
uma busca inteligível
uma palavra muda que na não expressão
encerra imagens que se vá,
que se vá na fruição do pigmento desprendendo-se da madeira
que se vá como sinal de fax
e que no retorno continue sendo qualquer coisa
que na pronuncia suscite dúvidas, inconstâncias
e um punhado de pó de pólvora no clichê do
rastro de possível explosão.
Que depois se assente
e se recolha no silêncio da pós-possível-explosão
e que não sonhe mais, fazendo-se também cega,
incauta, incognoscível, mas não mais misteriosa.

Epigrama Sicromalíaco

Crio
a tênue capa que cabe melhor
às idéias que nem no sonho encontro.
Trajo-as porque assim ficam mais apresentáveis.
Um palco, uma tenda, um frasco de essência,
A palavra existe por si só
e se manifesta para se livrar da imagem,
porque esta, tem-na sufocado.


Não entenda, apenas
absorva.
Deixe que se esvaeça qualquer
traço, e o que é livre verterá do livro
e quando sentir,
estará mergulhado como Alice
numa poça de tinta.
Nade nela, pois o que é sábio e vivo
você encontrará lá.

O Mito do Amor Romântico

Perdoe-me por minha ansiedade;
por essa insegurança que perdura
no gesto em falsete ou na euforia gaga da fala.
Mas é que estou tentando conquistá-lo;
estou tentando me fazer necessário e indispensável na sua vida.
Perdoe-me, não me cansarei de pedir desculpas
mesmo que isso rutile um tanto “ultra-romantismo anacrônico”,
ainda assim, não deixarei que seu tato se recrudesça senão em minhas mãos,
pois, mesmo sem saber,
você já é meu.

Por isso me ame hoje,
ainda que doído,
ainda que estranho
ainda que impróprio,
descubra-me e depois me acoberte,
mas faça isso hoje,
agora,
neste instante, porque as
promessas para o amanhã já se fazem tardias.

Dry, Ansiedade A



A ansiedade amarrou minha boca.
Cortou meus lábios sem sangrá-los.
A ansiedade fumou meu último cigarro
e devorou os restos da minha geladeira,
bebeu do meu Dry Martini e comeu minha azeitona.
A ansiedade fez-me correr de pernas atadas.
Fez-me subir até o último andar do edifício
de vista vertiginosa, para depois me fazer descer.
Fez-me lavar as mãos
obstinadamente.
Fez-me ajoelhar diante de santos e demônios
como se eu acreditasse nessas coisas de imagens
sacras, sacrílegas, acrílicas, argila, Aleijadinho.
A ansiedade fechou minha porta
e enterrou as chaves no cimento fresco,
agora, já seco.
A ansiedade expulsou-me de mim mesmo,
pôs-me desabrigado...
abrigado nesse teto
de azul tempestuoso, que vez ou outra expõe
suas estrelas.


Estou exposto, fraco, deliberadamente mal,
meus joelhos doem, minhas mãos tremem
mais que de costume, e meus pés tropeçam;
Fui, dia desses, à Paris, New York e Bangladesh.
Meus pés tropeçam nas orelhas desse poema.
Também, dia desses, olhei para dentro da janela
e a mesa estava posta, composta, bosta.
Meus lábios tremem querendo romper
com a costura;
minha avó era costureira,
e eu aqui tentando alinhavar lembranças
sem nem ao menos usar dedais.
Estou fraco e minha coluna mantém-se tão rija
quanto uma estátua de mármore perdendo
suas partes para o tempo.


Estou caindo, caindo, cainn...
A ansiedade me empurrou vetorialmente
com direção, sem sentido, compridamente abaixo
num túnel escavado sobre a linha de terra.

Estou caindo, caindo e toca
obsessivamente uma música que conta
sobre fumaça de navios avistados de longe
furos de alfinetes,
uma certa agonia,
um grito putrefazendo-se no ar por vermes,
todavia,
sem mais dores e sofrimentos.

Algumas pedras me acompanham nessa descida.
Pedrinhas como aquelas que aparecem nos filmes
quando o mocinho está prestes a escorregar da beira do abismo,
e vem, obrigatoriamente alguém e lhe puxa pela mão.


Não, eu não sou o mocinho dessa história,
Quem sabe um banal figurante com trajes antigos,
Uma prostituta de milhares de políticos engomados;
Ou, mesmo, um sodomita em filmes para adultos.
talvez um serviçal que marca presença servindo xícaras
de chá para o patrão enquanto este:

-Oh, sim, tratemos disso mais adiante...

sou infelizmente dispensável.

Estou caindo
caindo
caindo

Ora Pois! ou A Literatura do Lunático


O realismo é tão frio. Sempre me neguei a registrar qualquer palavra que fizesse uma descrição objetiva e clara sobre os fatos, por isso escrevo. Nesse exato momento armo um palco com minha cia. De teatro, visto trajes nos figurantes e ponho nos meus protagonistas uma boa capa de mocinho ou de vilão, classificação esta a ser definida nos próximos atos.
O destino é um livro para cegos, você só entende se o tocar, mas, é fato que as linhas que o destino traça, são grossas e rudes com as mãos de qualquer mocinho ou vilão, pois cada qual possui antecedentes que justificam ou não suas atitudes. Tudo era um imenso talvez, pensava o Mocinho(vilão) nº 1, este que acabara de sair de um trabalho sobre levantamento urbano e já há algum tempo enfrentava a fila da cestinha.
Olhava para todos os lados como que procurando por algo interessante, algo que salte os olhos e se fixe como lente de contato até que chegue sua vez de passar suas compras no caixa. Então como um pedido que ascende ao céu e retorna como um raio a terra, entra em cena o Mocinho(Vilão) nº 2 sorrindo com sua amiga.
O problema é esse, o Mocinho número dois; eu não sei nada sobre ele, mas sei que quando o olhei e vi aquele sorriso e seus óculos, decidi olhá-lo mais, observá-lo de cima abaixo, mirá-lo e captar as mensagens que eram passadas por seu corpo, pela sua fala. E o carreguei em mim para fora do mercado.
Alguns dias depois...

Não, eu não estou apaixonado, ele é apenas um estranho e isso me lembra Closer, onde paixões ao acaso podem existir. Então sim, levando-se em consideração o cinema como um mundo paralelo, o Mocinho nº 1 vê-se apaixonado pelo Mocinho nº 2 e corre infrene para reencontrá-lo.

Mocinho nº 1 põe seu tênis.
Mocinho nº 2 põe seu tênis.
Mocinho n º1 sai de casa.
Mocinho nº 2 sai de casa.
Mocinho nº 1 dobra a esquina e se escora na entrada de uma loja.
Mocinho nº 2 dobra a mesma esquina e passa apressado enfiando o celular no bolso.
Mocinhos cruzam olhares.
Mocinho nº 1 cumprimenta.
Mocinho nº 2 retribui e passa.
Mocinho nº 1 pergunta se não o reconhece.
Mocinho nº2 afirma que reconhece e se desculpa porque está atrasado para pegar o ônibus.

- Arre! Podíamos ter trocado telefones, pensa mocinho nº1.

E os dias vêm se arrastando como nunca para o mocinho nº 1, com altas doses de poemas e chás que segundo a sua avó, que se considera curandeira, lhe receitou. E parece que exatamente agora, nessas últimas linhas que me restam e o desfecho que se inicia agora, inculca que se faça com versos de Cecília:

...

Meus sonhos viajam rumos tristes
e, no seu profundo universo,
tu, sem forma e sem nome, existes,
silencioso,obscuro, disperso.
...

Socialização



Ontem, logo pela manhã, Tchaikovsky e sua Bela Adormecida vieram me visitar. Tomamos um chá com tortas de maçã que a Bela Adormecida trouxe. Foi uma delícia, são duas pessoas agradabilíssimas, educadas e de muito bom gosto, tal qual o meu amigo Iago, aliás, saudades dele. Se alguém o viu, favor lhe mandar lembranças minhas.

Você poderia fazer alguma coisa de vez em quando

Venho por meio deste esclarecer algumas situações pendentes. Críticas e proposições seguem abaixo:

Estou exausto de tanta espera que tua boca provinciana propõe. Essa sua paciência em resolver as coisas tem nos tirado inúmeras horas de prazer. Não quero mais essa contagem regressiva que nunca chega a um ponto de transição, as fronteiras se afastam e quanto mais risco os dias no meu calendário o tempo como agente relativo me vira como a uma ampulheta e quando vejo estou de volta com os ouvidos grudados ao telefone lhe ouvindo pedidos de desculpas e cobranças de compreensão.

Entender? Entender quando não há nada a se entender, é extenuar as forças e como já citei anteriormente, estou exausto, meu corpo já sintetizou todo o estoque de carboidratos; estou na reserva e não é nessa sua permanente ociosidade que reporei o que se exauriu.

Dito isto e na espera, como de costume, de resoluções, termino este.

Eu.

Agora Entendo



“Que a vida é maior que o fato
A força maior que o ato”
(Autor desconhecido)


O mundo urge, alguém já deve ter dito isso da mesma forma, no entanto é preciso começar isso por algum caminho que já foi trilhado para que seja de acesso para todos, ou não, pois isso é despretensioso de ser compreensível para o todo, dirijo-me a alguém em especial.

Abram-se os matagais à facões,
precisamos passar.
Necessitamos correr como forasteiros
por entre essas terras já batidas;
semear nosso grão de puberdade
e do chão fazer brotar pequenas revoluções
pois, que são essas que mudaram o mundo.
Mas o mundo urge, e urge porque tem fome
assim como nós temos por lhe desvendar.

A fome move o mundo, é a engrenagem propulsora de produção, o que Marx provavelmente em algum momento de sua enfadonha retórica deve ter citado, mas aqui é que são abertos os matagais e fixadas as placas de “passei por aqui”; é aqui que a vida se torna maior que o fato, e a força inevitavelmente maior que o ato.

A Infinita Mentira do Ser


IV – O Remorso do Eu


O mundo gira. Não foi preciso que mandassem foguetes carregados de gente para se certificar disso. Eu sabia muito bem que no momento em que se aproximou do outro Eu – primeira rotação – com intenções de revelar que o amava e não fazendo isso – segunda rotação – descobrira que perdera a chance de embarcar numa viagem rumo ao cosmo.

“Aproximei-me com tal zelo
mas com a palavra na boca
quase que sendo cuspida antes mesmo de
lançada.
Os instantes, e as figuras
átomos a átomos contrapunham-se na minha frente
e queria o outro Eu; queria amá-lo,
queria tê-lo como quem tem a uma poltrona barata.
No entanto, resta-me um disco de Edith Piaff,
toco-lhe e ouço alguém suavemente resvalar de sua boca
um ‘não me deixe só’
e eu reciprocamente lhe digo:
‘Nunca!’.”

V – O Retrocesso
Assim sofre Eu sem saber do que o outro Eu pensara dele quando o vira também. Talvez tivessem ambos amando um ao outro naquele instante, mesmo que por influência de Vênus e sua rebuscada beleza. Talvez tivessem se amando e isso seria maravilhoso, mas aí isso não seria um conto, seria Walt Disney e suas princesas branquinhas com lábios vermelhos esperando pelos seus príncipes com suas espadas soerguidas.

Desculpem por não saber o que aconteceu com o outro Eu no momento do encontro entre os dois, o que sei, são meras alusões de possíveis relações e o que eu posso dizer é: o mundo retrocede, e não é preciso que os foguetes voltem a Terra para nos assegurar da nossa infinita mentira do ser.

A Infinita Mentira do Ser

III - Maleabilidade do Eu



Eu
sou apenas um portifólio de figuras abortadas
com pretensão de um dia a vir ser
qualquer coisa que
rasteje
trepe
desmorone;
qualquer coisa que
não invente prosa em verso.














A Infinita Mentira do Ser

I - Características Principais de Eu

Eu, esse é o nome do meu personagem. Poderia lhe nomear de João ou mesmo Maria, mas seria como travestir idéias quando na verdade só sei falar de Eu; Eu que é sempre o protagonista de tudo, que acorda às seis da manhã, mantendo seu trabalho e estudos quase sempre em dia.


Poderia aqui descrever fisicamente Eu, no entanto receio que lhe achem feio por ser magro ou excessivamente gordo; por não ter nascido com os olhos azuis ou verdes que tanto sua mãe pediu enquanto ele estava na barriga.



Eu
sobreposições
cascas
fardas
pele
tato
Eu

II - Estranhamente Narciso

Estranho o homem cotemporâneo, pensa Eu, morre de paixões por dentro mas precisa se mater inabalável e inconfesso para que o seu amor pense que ele não está em suas mãos.

Outro dia, Eu conheceu um outro Eu, bonito, com os olhos claros que tanto a mãe pediu que Deus lhe desse, e logo fall in love, ou melhor, se apaixonou. Eu viu no outro Eu o que nele não faltava e isso o deixava extremamente satisfeito, como aquela lenda de que Deus viu que a mulher era bom, e assim Deus a retirou da costela de Adão, ou ao contrário, lembra?

Eu se aproxima do outro Eu, e assim foi feito o sonho grego:

Eu
Te amo Eu
Eu não pode saber
Eu consome-se
e precisa esconder

continua...

I Rturned Again III

Estou sentado novamente defronte a esta tela branca que o Word mostra, tentando justificar aos leitores a minha existência, e os mesmos tentando encontrar em mim um ponto de fuga onde as linhas acabarão por divergir completamente.

Acabei de escovar meus dentes, tudo como manda os hábitos da higiene bucal para poder estar aqui relatando alguma coisa que eu ainda não sei, apenas sei que mau hálito traz conseqüências horríveis, desde perca de amigos até o fim de um casamento. Outro dia vi isso acontecer, e foi estarrecedor. É claro que existem milhares de outros fatores que levaram a esse rompimento, mas ouvi da boca da esposa: - Eu falei que você me perderia por não escovar os dentes! Acreditam nisso?

Eu acredito porque vi, senão, é claro, nunca que poria fé em situação tão fútil... bom, eu nunca que casaria com alguém que mantivesse hábitos porcos, principalmente em relação a boca. E os beijos avassaladores como aqueles que vemos nas novelas, como ficariam? É certo que não ficariam, ou melhor, não existiriam.

Tenho tanto medo disso. Sempre sonhei que algum dia viria alguém e me restituiria uma alegria que nunca tive, apenas com um beijo e assim viveria feliz apenas com a idéia mal formada sobre o que é felicidade. Porém constato que é sonho e por isso mesmo divago sobre essa paisagem salvadoresca, a qual suscita o lúdico a criar essas imagens de um rosa berrante, meio Priscila, A Rainha do Deserto.

Então, sempre que possível pego um ônibus e saio com minha trupe para fazer algumas performances. Visto um vestido repleto de lantejoulas e subo no palco como uma rainha com a cara empapada de rímel e pó compacto barato, imitando alguma diva da drag music. Após os aplausos retorno, certamente porque, por algum motivo, sempre acabamos voltando.

I Returned Again II

Já tentei incinerar todas as minhas roupas, meus discos e as imagens carpideiras de Whistler dependuradas na minha parede. Já quis comprar vasos baratos apenas pelo prazer de arremessá-los e lhes ver sendo estilhaçados como coisa imprópria, imunda e que por isso mesmo catártica. Retrocedi em todos estes meus gestos por que me julguei pouco civilizado.

Talvez por isso retornemos às mesmas velhas coisas, uma saudade de se sentir pertencente a algo que aparentemente não se transformou e todos aqueles planos de catarse ficam arquivados neste rastro de possível explosão.

Casualidade Numa Tarde Qualquer

Já olhei suas fotos milhares de vezes
como que procurando encontrar no seu rosto
a expressão de quem deseja alguma coisa
que ainda não sabe ao certo.


Já vasculhei seus gostos
e os revirei para sacudir a poeira que
debaixo estava.

Correria para encontrá-lo
não porque o amo,
não!

Eu definitivamente não passei a amá-lo
assim repentinamente, no entanto
confirma em mim uma admiração irrefreável
por ti.
Tua imagem sem saberes,
me consome como paixão,
e paixão é fogo-fátuo, assistencialismo:

-Arregace as mangas, guri, e faça algo.
Encarregue-se de ser o seu próprio herói.
Salve-nos dessa pureza.

I returned again

Eu queria mesmo era escalar uma montanha ou pular de pára-quedas, e fiz isso de acordo com as oportunidades oferecidas; trepei nos muros dos vizinhos com um lençol roxo sobre as costas para depois me jogar dos mesmos, e repeti estes meus gestos por durante meses, como uma criança que assiste milhares de vezes o mesmo chato musical infantil.

Por algum motivo nós acabamos retornando às mesmas coisas, no entanto sob uma nova roupagem, às vezes black tie, às vezes trapo-semafórico, às vezes nu como agora, e confesso que sequer quero tapar meu sexo, quero viver exposto.

Você entende?

Por algum motivo nós acabamos retornando...

PAUSA

Blog temporariamente em pausa.

Volto depois do dia 7 de julho

beijos e abraços

rafa

P.S.: Não costumo pôr textos de outros autores, mas, abro exceção para Adélia Prado, umas das minhas poetisas favoritas.

Leitura

"Era um quintal ensombrado, murado alto de pedras.
As macieiras tinham maçãs temporãs, a casca vermelha
de escuríssimo vinho, o gosto caprichado das coisas
fora do seu tempo desejadas.
Ao longo do muro eram talhas de barro.
Eu comia maçãs, bebia a melhor água, sabendo
que lá fora o mundo havia parado de calor.
Depois encontrei meu pai, que me fez festa
e não estava doente e nem tinha morrido, por isso ria,
os lábios de novo e a cara circulados de sangue,
caçava o que fazer pra gastar sua alegria:
onde está meu formão, minha vara de pescar,
cadê minha binga, meu vidro de café?

Eu sempre sonho que uma coisa gera,
nunca nada está morto.
O que não parece vivo, aduba.
O que parece estático, espera.”

Adélia Prado em Bagagem

Série monólogos. Monólogo I

- Sirvam-me, estou pronto. Tirem-me do forno. Enfeitem-me com farofa e cereja. Minha pele fará cleck nos seus - cleck – dentes e então me jogue garganta abaixo, nesse abismo sem fim que é viver.

A vida é ácida.
Quimo.
A vida é básica.
Quilo.
A vida é descarga.

Arte Conceitual = Mente vazia, oficina do Diabo ou O conto da vovozinha



As palavras que se seguem, decorrem de uma repentina e fortuita parada na capacidade de pensar, um estado meditativo que se apossou da mente de nosso ilustre personagem Martinho, cujo, possibilitou-me de invadir sua mente enquanto esta permanecia no vácuo.

Antes, porém, temos que saber o conceito de vácuo; recorramos à física para isso. Vácuo, ausência total de matéria, no entanto pode ser entendido de diversas formas, pois o vácuo absoluto, que realmente é a ausência total de matéria é apenas teórico, existindo assim, a remota possibilidade de existir o vácuo absoluto em alguma galáxia. Dessas coisas de vácuo só entendo de garrafa térmica que mantém meu café quentinho; essas coisas de galáxias e perdições além me intrigam muitíssimo. Ademais, pensamento é matéria?

Levando-se em consideração que pensamentos são impulsos elétricos e que corrente elétrica é composta por elétrons que por sua vez possuem carga negativa e massa irrisória de alguma coisa elevada à outra alguma coisa, então, sim, pensamento é matéria, e que se somarmos veremos que realmente o papo de que de grão em grão a galinha enche o papo, é realmente verídico e irrefutável. Por que adoram nos inculcar com esses ditadinhos? Sempre tem alguém com esses postulados na ponta da língua ou na ponta da mesa que aproveitam o ensejo e despejam a conta para o azarado que se sentou à ponta.

Voltando ao Martinho após todas essas conclusões científicas.

Martinho, homem de coragem, boníssima pessoa e freguês da mesma padaria que freqüento aos sábados pela manhã, foi lá que o conheci. Homem mediano, esguio e com sobrancelhas delgadas sempre pede um pãozinho com ovo “estalado” na manteiga sem sal acompanhado de um café expresso, coisa de elite. Na verdade isso é tudo o que sei.

Na verdade o Martinho nunca existiu; também, nunca vai à padaria todos os sábados pela manhã, e nunca foi tomado por uma brusca estagnação de sua mente. Mas a proposta é boa, e este conto é arte puramente conceitual, onde a idéia inicial é relevantemente superior ao resultado obtido, e por isso precise de uma legenda, aqui vai:

Idéia do conto: E se repentinamente eu parasse de pensar, o que aconteceria?
Leitor, se repentinamente você parasse de pensar, para onde escoaria essas suas monstruosas dúvidas e lembranças?Ficariam guardadas em alguma parte de seu cérebro ou você permitiria que alguém te invadisse e te roubassem-nas?

Ah, esses Jovens Sindicalistas




Começo este conto porque já se faz urgente, porque as palavras insinuam fugir, porque inúmeros porquês surgem em simples aberturas de armários, gavetas e roupas entranhadas por naftalina. Partimos daqui.

Inverno de alguma data não muito precisa. Marta levanta-se com o corpo dolorido por ter dormido em posição fetal, mais cansada do que quando se deitou à noite anterior. Faz tempo que ela não sabe o que é ter um sono de verdadeiro relaxamento. Já na cozinha, Marta reacende seu cigarro que mantém escondido na gaveta de talheres, há dois anos que ela adquiriu este hábito de fumar meio à noite e meio de manhã. Toma um gole de guaraná que a esperta, e segue rotina.

Marta possuía apenas vinte e dois anos, fumava há dez; começou por que achava elegante àquelas mulheres de Hollywood que apareciam sempre nos filmes. Fez faculdade de música, e era muito bem sucedida financeiramente. Tocava na orquestra estadual. Não era casada e nem tinha filhos, sempre acreditou que não viera ao mundo para trazer mais gente, povo já tinha demais e o planeta não suportaria mais uma avalanche de novos humaninhos. Morava sozinha, sem nem ao menos um gato para fazer-lhe companhia, e sua vida não era insuportável por todas essas suas não personagens adquiridas pelo tempo, quem sabe isso tivesse algum papel secundário, todavia o que tornava sua vida uma merda era aquela monotonia monocromática que ela tinha que aturar pela manhã.

Então, existe um breve momento, breve, mas que perdura o tempo exato para que tu percebas que deves procurar um novo caminho, revolucionário em essência, que te leves para mundos desconhecidos, românticos, colorido de vermelho de boca de menina nova e sensual ou de vermelho vestido-para-matar e este momento acontece agora.

Marta abre a gaveta de seu guarda-roupa para pegar sua luva. O cheiro de naftalina, bafo de tempo morto conservado a formol, invade-a pela narina e a desestabiliza, por reflexo segura-se para não cair, porém, decide cair, solta em queda livre, pronta para se permitir existir. Momento impasse, passo ou me passa? Opta por passar.

Ela põe seu violão sobre as costas e abandona o violino, maldito instrumento que a conquistou pela estabilidade financeira em uma orquestra. Leva também algumas roupas, pouco dinheiro, iria ser artista de rua, viajar e viajar sem rumo certo, andarilho de praça mostrando o melhor que tem, pelo o mínimo que os transeuntes têm a oferecer, quem sabe um prato de comida, uma parada repentina para ouvir o que ela tinha para tocar e cantar, isso já seria maravilhoso, ter a atenção de alguém nesse mundo que tem pressa de tudo, e se morresse, já morreria feliz.

Tocava desesperadamente, romanticamente, pois estava farta de ser a menina comedida em suas emoções (as pessoas realmente não possuem espelho em casa), de ser guiada por essa arte ultrajante que é o realismo, que nos impele a crer apenas no palpável, no cimento e terra vermelha que é esse chão. Essa ciência que nos impõe certezas, postulados, axiomas e postulados, axiomas como deue piasamos. de omos, que merda,que que de tão coerente nos transborda com mais dúvidas, receios, espasmos musculares, e fortes enxaquecas, dessas dores tipo panela de pressão. Por que não basta existir apenas, pensava ela. Essa foi a segunda vez que foi esbofeteada.

Assim seguira por muitos dias, muitos, mas não suficientes para contabilizar um mês. Sim ela desistiu, jogou a toalha branca e foi cuidar dos ferimentos do marido que voltara da guerra. Não, ela não tinha marido, insisto em lembrar, e a família que antes lhe pertenceu, há muito tempo já havia se desgarrado, quando nova, ainda mais nova que agora, quando contra a vontade de todos fora estudar música.

Estudou música, violino, como já mencionei, se formou, não sem antes vagabundear como calouro, isto inclui festas, porres, beijos e sexo à vontade; noites arregaladas numa esquina rindo-se de qualquer coisa que passasse pela rua. Irá, o leitor, me perguntar o porquê de eu voltar nos tempos de faculdade de Marta se o conto já principia ao fim? A resposta é simples: alguns fatos só nos vêm à mente quando já estamos encerrando, tal qual quando abrimos a boca para dizer a alguém algo importantíssimo e acabamos por esquecer de mencionar, então, antes que me culpem por encobrir algo... lembrei, foi para mostrar esse sindicalismo utópico que Marta sempre sentira correr nas suas veias com tanto ardor, porém que coagula fácil e mata esses sonhos de revolução.

Foi assim com essa vida de moribunda que estava tentando levar, até estava aderindo bem, mas suas costas já doíam por culpa do banco de ripas em que ela se deitava todos os dias que decidiu voltar pra casa. Colchão box de mola, comida-fácil-abre-e-fecha, põe na água e está pronto, quentinha e até apetitosa. Arranjaria desculpas convenientes por seu afastamento no trabalho e estaria tudo solucionado.
Quem sabe uma próxima vez me adapte melhor? Vou limpar aquelas gavetas e pôr um sabonete de lavanda. Que bom pisar nesse tapetinho de liquidação home sweet home, até parece que tenho um lar?! Momento impasse: Passo ou me passa? Translado para dentro, agora sim, home sweet home.

Alento II



Os deveres se amontoam defronte a minha porta como crianças pedindo por atenção, são tantos e de tantas espécies matemáticas que a meu ver, suas resoluções devem estar nesse momento na galáxia mais próxima que a via Láctea faz divisa, se é que há divisas no infinito, logo, não há chances de encontro com o gabarito pelo menos em alguns milhões de anos-luz.

Existem vários momentos que tento fretar uma nave espacial, decolar, atravessar a atmosfera, viajar e viajar, todavia, também nesses vários momentos a exaustão intumesce meus músculos tornando-os tão flácidos e inapetentes que esmoreço por ali mesmo, - sou jovem, mas sem forças -, dispensar energia numa aventura errante é ato suicida.

Não me encorajo a ir à luta e transpor as galáxias como muitos fazem; invejo-os todos os dias. Como conseguem ser heróis do cotidiano? Como conseguem espichar logo pelas cinco da madrugada; comerem um pão molhado no café com leite e seguirem a diante resolvendo seus problemas e no fim do expediente chegam e ainda possuem a capacidade de beijarem seus cônjuges e seus filhos. Invejo-os porque não tenho em mim esse espírito que a vida imbuiu-lhes, um espírito “vai à luta homem”.

O espírito que a vida imbuiu-me é destes que já estão frágeis, moles, deve ter sido um espírito há muito usado por um daqueles heróis – por instantes uma idéia reencarnacionista passou-me como flash – seria eu um jovem herói de velho alento? Prefiro que seja assim, que eu seja um guerreiro pós-guerra, admitido novamente à vida com o único dever de contar sobre as suas vagas lembranças de algo que longinquamente viveu; recordações que viraram pó. Sedimentaram-se. E àqueles cálculos já não são mais problemas e eu não preciso martirizar-me por não fazê-los, meus deveres não são eles e isso me alivia tal como ficar nu em casa nos dias de temperatura elevada. Estou tão vivo dentro das minhas possibilidades.

Alento I




Escorrego a mão para pegar a cueca, visto-a, faço o mesmo com a calça, a camiseta, o moletom. Levanto-me às seis horas da manhã e ainda está noite, e o mais triste, nunca vejo o nascer do sol. Não dá tempo para abrir o blecaute que cobre toda a janela. O dia já raiou.

Tem granola no café da manhã, iogurte com granola, com suco e pão integral, tem também ricota com banana. Mastigo e penso que engulo carboidratos e proteínas, engulo biologia. Há tempo perdi o paladar para o sabor e adquiri o pudico hábito de devorar lentamente tabelas nutricionais, no mercado mesmo, não compro alimentos, compro informações.

Meto a chave e a giro.
Estou ansioso.
A porta range.
Estou me abrindo.
Estou abrindo o mundo.

Cuspo-me para um novo dia que raiou há alguns minutos atrás, e confesso que tenho abalos, tremo, tenho medo de toda essa extensão que se estende defronte a mim, porque me esfarela, porque estraçalha com o luxo dos véus que revestem este conto de fadas censurando-o às minhas crianças; perco meus ouvintes, os mesmo perdem sua grandeza, e eu sou remetido ao primeiro natal em que o bom velhinho se ausentaria definitivamente da minha vida. Esta foi a primeira vez que fui esbofeteado.

Estou caminhando, aliás, enquanto contava dos meus medos, já estava caminhando em direção aos deveres-cidadão. Proíbo minha mente, veto-a de pensar, mas é em vão, é um hábito que com raízes grossas fixou-se em mim e não me tem feito bem, tem me desgastado, pois me resta apenas dez por cento da visão. Estou caminhando e não consigo enxergar as ruas, as casas, os prédios. Sei onde estão porque fazem sombra sobre minhas sinapses e porque tenho um labrador como animal xamânico, o qual me guia e assegura minha mãe de que seu filho retorne a casa nos fins de tarde ainda vivo.

Já entardece e percebo que mais um dia se passou e que toda aquela ansiedade que me referi era pura esperança travestida, cuja se esvaece como o sol da tarde.

Meto a chave e a giro.
Estou exausto.
A porta range.
Estou me fechando.

Estou fechando o mundo.


Mochileiro





Algumas perguntas nunca deveriam ser feitas: Quem sou eu? Penso, logo existo? Ela era feliz? Esta última é a que me tem tomado o maior tempo, tomado minhas últimas palavras e meus corridos dias, como alguém consegue formular uma pergunta sem resposta? Por que me proponho nessa busca?

Calcei àquelas botas de borracha que meu pai usa para fechar o portão quando está chovendo, puxei da gaveta àqueles santinhos que todo mundo ganha da sua avó e botei o pé na estrada como muitos fazem quando colocam suas mochilas sobre as costas e seguem em uma lambreta insinuando-se aos outros como conquistadores do mundo ou possíveis homens que sacrificaram seu conforto para viverem uma aventura errante. Minha aventura é uma pergunta, uma resposta, um passado?

Voltando ao instante em que eu coloco o pé (direito) para fora da porta. O primeiro passo sempre é decisivo e também é o que se fixa em nossa pele como tatuagem, uma cicatriz conquistada numa batalha que um dia contará sua história a alguma moça ou rapaz que a veja desnuda. Assim fiz minha primeira de tantas escarificações, agarrei-me a mim mesmo e me marquei com dúvidas, dúvidas não do objetivo, porém da viagem. Qual era o roteiro, com uma foto, - sim, eu tinha uma foto, ela era tão linda, um sorriso encantador e olhos vivos de fome -, poderia pagar ao agente turístico uma passagem para a vida daquela mulher?

O agente, com seu terno habitual, olhou-me muito intrigado e como telefonista de telemarketing, “desculpe, mas nisso não posso te ajudar, tenho outros pacotes que incluem pernoite e um pacote de bolachas de leite em Fernando de Noronha. Senhor, tenha um bom dia.”. Ele deveria estar ganhando para isso, cada qual com suas pilhérias.

Continuei então a busca do passado da moça de olhos famintos, mesmo sem endereço certo, faz tanto tempo, a foto data de duas décadas e que ela está morta sendo que esta última informação não nos importa, o que nos importa é: ela era feliz? Talvez nos importe, quem saiba me vá até o cemitério mais próximo, e estou indo, assim de súbito, como uma laranja podre caindo do pé, fui de maduro. Alguém deve estar pensando, que mochileiro é esse que não sai de sua cidade e sequer dorme em albergue? Respondo-lhe, você me viu pôr alguma mochila sobre as costas? Não, botei as botas e trouxe comigo os santinhos e a foto da moça.

No cemitério, bate-me até um calafrio nos pêlos de lembrar isto, alguém consegue escrever no presente? Parece-me que escrever é lembrar de algo, é possível lembrar no futuro? Deixa pra lá. O zelador, muito simpático por sinal, perguntei-lhe se alguma vez já havia visto àquele rosto em uma das lápides, às vezes sou tão pedante, é lógico que ele afirmou que não e que se tivesse visto não se lembraria, todavia, que eu poderia olhar a ata e procurar pelo período que mais ou menos ela poderia ter vivido e passar o resto do dia buscando o rosto dela. Antes que me esqueça, também sabia o sobrenome dela, o qual, não cito para não incitar ninguém a vestir a minha luta em busca da jovem. Para surpresa minha, nada, nada de nomes, de datas coincidentes e nem de fotos nos túmulos, também, com tão poucas informações como poderia encontrá-la?

Um pequeno retrocesso.

Eu e minha sobrinha de nove anos, sentados na sala em plena quarta-feira à tarde, remexendo nos álbuns de família, cai como que por acaso a foto da moça e minha sobrinha me pergunta.

-Quem é ela?
-Nossa parente.
-Onde ela está?
-Não sei.
-Por quê?
-Ninguém fala dela, dizem que era uma errante e acabou morrendo.
-Ela era feliz?

Agora vejo que nunca parti para nenhuma busca, e que não houve nenhum pequeno retrocesso também, sempre estive aqui sentado junto da minha sobrinha. Como posso saber dessas coisas de felicidade, principalmente aquela que não cabe a mim, é como tentar invadir uma mente através das narinas, você já tentou? Nem sei se sou feliz, não sei o que é realmente felicidade, de todos os momentos de alegria que tive já foram soterrados por essa memória precária que temos, porém das tristezas, estas me lembro, estas ficam grudadas nos olhos que são os mesmo desde o momento em que se formaram no ventre da minha mãe, já os dentes, estes se trocaram e tornaram-se permanentes e os risos se foram com a dentição de leite. Seriam as bolachas de leite que hoje não as suporto?

-Tio, ela era feliz?
-Infelizmente não sei.

Dou-lhe um beijo em sua cabeça e a envolvo para compensar o pouco que sei.

Sobre os Enganos



Eram Olhos arregalados e buliçosos, estes que aqui vos exponho, nascidos na sola do meu pé esquerdo. Olhos possuidores de uma habilidade inconteste em penetrar as vossas cascas-vagas-humanas e exauri-las de suas almas. Mentira! Acham que minto, por eles parecerem inocentes? Escritores não mentem, nunca mentem, suas histórias são de santo sepulcro, escritores vêem o que vossos olhos não captam, nem que coloquem lã de aço em vossas antenas.
Voltando aos olhos, eles são o que eu quero que eles sejam, tenho direito de imprimir-lhes os adjetivos que eu quiser, e eles no momento passam por mim como exímios gatunos, bisbilhoteiros e que se fossem línguas, seriam línguas ferinas.

Não sei ao certo o porquê de eles escolherem o meu pé esquerdo para se acomodarem e não a minha mão direita, esta que aperta tantas outras conseguindo uma maior proximidade com os próximos assaltados, não é essa sua função, assaltar? No pé se escondem num tênis a maior parte do dia, são pisoteados e então, quando se vêem livres já esta na hora de ir-me deitar e carregá-los novamente para o mundo obscuro de minhas cobertas; na certa devem ser como aqueles peixes que estudamos em biologia com olhos exorbitantes e medonhos que encontramos bem no fundo do mar, lá onde a pressão é muito baixa. Será que estes olhos não são um desses peixes que grudaram na sola do meu pé na última vez que entrei no mar? No entanto, não me recordo de ter mergulhado mais que um metro e sessenta e cinco, ou, estou louco ou os livros desconhecem o relevo submarinho?

Supomos que os livros desconhecem e que ainda não endoideci, então, quando entrei no mar pisei num desses peixes e estes agora habitam na sola do meu pé, e que possuem olhos arregalados e buliçosos porque sempre o tiveram, não por malícia como confabulei, reconheço que me enganei, peço desculpas, não ao leitor, mas aos Olhos-Peixe, ora, chamei-os de ladrão, pode?

Envergonho-me às vezes por ser tão presunçoso a ponto de sair fazendo juízo até de um pobre ex-peixe. Eu é quem deveria habitar àquela escuridão pelágica e nunca mais sair por aí com essa mesquinharia, nem sou tão bom escritor assim, nem tenho convite para entrar na Academia de Letras, e também, os leitores me fogem como ratos, - diga-se que ratos porque escapolem por qualquer buraquinho -; por que insisto em criar essas histórias que ninguém irá ler? Esperança. Um dia alguém ainda me pede em casamento.




Posts toda sexta

Por Darwin


Por DarWin

O contrário que me faço
é o avesso de meu corpo estruturado
refletido em ordem inversa,
como uma melancia, que não se sabe o porquê,
decide crescer com a casca no seu núcleo,
um caroço talvez,
envolvido por toda aquela carne porosa
que desprende uma água tão melissa.

Faço-me assim todos os dias,
como quem procura algo a mais dentro de si
por algum motivo que só Deus deve saber.

Na primeira viagem que fiz,
aspirei-me por inteiro pela boca,
desloquei todo esse revestimento
ao inflar os pulmões.
Dessa primeira viagem voltei músculo,
vi-me tão estirado que em mais uma viagem
insisti.

E ao inflar os pulmões
e sorver os músculos
fiquei osso e osso, ou osso e cartilagem,
até minha língua achou um caminho pelo
qual seguir e desabar ao chão, enfim,
tudo foi ao chão, menos eu que permaneci
como os ossos
pós-velório-túmulo-cinco-anos.

Então,
o fato dos sacos respiratórios faltarem a mim,
criou-se uma nova órbita para o reinvento,
a qual me translitera a alma num único alento,
num único símbolo, num singular momento:

Viver é a habilidade sobre-humana
de reinventar-se sob feijão com arroz.

Mais uma vez...

Eu ainda não me entendo... quem se entende?

O fato é que mais uma vez estou apostando todas minhas fichas num blog; já fiz tanto disso. Mas, renovar é preciso e escrever também, principalmente escrever aquilo que eu não escreveria por achar às vezes piegas, às vezes pouco literário, às vezes "ninguém vai ler"; que me importa agora tudo isso? Escrevo e vou escrevendo, talvez traindo a fôrma, entretanto, o que realmente importa se não a expressão?


Esclareço aqui que este post é uma introdução sem ninguém pedir, no entanto, o que é um blog senão um monte de palavras organizadas por uma suplica que é apenas subjetiva?


Agradeço sua paciência por ter lido isso, e por ventura "desagradeço".


Subversivo é o ato,
subversão é o palco.



Rafael Geremias